1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

América Latina

Cuba ainda tem metas pendentes 60 anos após início da Revolução

Há seis décadas, Fidel Castro tentou pela primeira vez tomar o poder. Com seu programa revolucionário, formulou metas ambiciosas, mas a maioria delas, segundo especialistas, ainda não foi alcançada.

A velha guarda da Revolução Cubana comemora nesta sexta-feira (26/07), em Santiago de Cuba, os 60 anos daquele que é considerado o início oficial do levante que levou Fidel Castro ao poder.

Então um jovem e desconhecido advogado, Fidel condenou o golpe de Fulgencio Batista, que tomara o poder um ano antes, e tentou levar a denúncia que publicou no diário clandestino La Palabra aos tribunais – sem sucesso.

Fidel, então, tentou derrubar Batista pela força. Reuniu mais de 130 homens e mulheres para invadir os quartéis de Céspedes e de Moncada, com o objetivo de obter armas e entregá-las à população. O plano falhou, e os revolucionários acabaram sendo julgados. Eles levariam mais seis anos para, em 1959, derrubar o regime de Batista.

Condenado a 15 anos de prisão, mas anistiado dois anos mais tarde, Fidel assumiu a própria defesa no tribunal. Se tivesse triunfado no dia 26 de julho de 1953, os problemas de terra, industrialização, moradia, desemprego, educação e saúde da população, assim como "a conquista das liberdades públicas e a democracia política", como o advogado pronunciou no discurso de defesa, teriam dominado o programa de governo dos revolucionários.

Depois de 60 anos da primeira tentativa fracassada de golpe e mais de 50 anos depois do triunfo da Revolução Cubana, especialistas ouvidos pela DW avaliam se Cuba solucionou os problemas e se conquistou as liberdades almejadas na época.

Entre o socialismo e as reformas de mercado

Zeugnis der Revolution auf Kuba Moncada-Kaserne

A revolução começou no quartel Moncada

"O programa de Moncada era mais socialista do que o próprio programa do antigo Partido Comunista", escreveu o historiador cubano Pedro Campos, ativista do coletivo Socialismo Participativo e Democrático. "O programa dos comunistas previa um capitalismo de estado controlado pelo partido único, incluindo algumas cooperativas agrícolas, seguindo o modelo pregado pelo stalinismo."

Campos considera, portanto, que o passo de um regime "estático" à "socialização" é uma "velha meta pendente" da Revolução Cubana. Para alcançar essa meta, o programa de Moncada propôs a participação dos trabalhadores nos lucros das empresas, o fomento de cooperativas agrícolas autogeridas e a recuperação de mecanismos democráticos para o exercício da cidadania. Todas as tarefas ainda por cumprir, acredita Campos, para quem a situação pode estar relacionada com o isolamento político da ilha.

"Cuba conquistou e manteve a sua independência política, mas é uma soberania limitada porque o país não é autosuficiente do ponto de vista econômico e sempre dependeu de um ator externo, como Espanha, Estados Unidos e União Soviética. Hoje, o ator externo é a Venezuela", constata Carmelo Mesa-Lago, ex-professor de Economia e Estudos Latino-Americanos da Universidade de Pittsburgh (EUA).

No final dos anos 1980, Cuba registrou os melhores indicadores socioeconômicos de sua história. Porém, após o colapso da União Soviética no início dos anos 1990, o mais recente programa de reformas de mercado – implementado por Raúl Castro, irmão de Fidel e atual líder do governo cubano – enfrenta um panorama pouco alentador.

Kuba - Alltag in Santiago

Carência habitacional é um problema no país

Cuba tem um déficit estimado de cerca de um milhão de casas para uma população de 11 milhões de habitantes. O déficit comercial, a inflação e a dívida externa aumentaram várias vezes nos últimos anos e registram níveis recordes. Cresce também a discrepância na distribuição de renda, assim como a pobreza e a população vulnerável no país. A prostituição voltou e o número de pessoas que recebem benefícios sociais caiu cerca de 70%, alerta o especialista Mesa-Lago.

A produção agrícola segue estagnada, com a primazia de um planejamento central sobre o mercado e com quase toda a terra pertencendo ao Estado. Somente 10% dos agricultores exercem a atividade de forma privada. A produção manufatureira ainda sofre com a fuga de capitais e com a baixa industrialização. E, se avançarem os cortes de postos de trabalho previstos por Raúl Castro no setor público, um terço da população economicamente ativa pode ficar desempregada, acrescenta o economista que se especializou em políticas sociais para a América Latina.

Entre os indicadores econômicos e sociais positivos nos últimos anos, Mesa-Lago aponta o crescimento do turismo, o ingresso de divisas com a exportação de serviços profissionais, produtos farmacêuticos e de biotecnologia, a expansão e diversificação das relações comerciais e os investimentos e créditos com China, Rússia, Brasil e União Europeia.

Estagnação política e a imagem internacional

Se, por um lado, Cuba ainda tem uma das mais altas expectativas de vida e uma das mais baixas taxas de mortalidade infantil na América Latina, a deterioração na educação e na saúde é visível, constata o historiador cubano, cientista político e professor da Universidade de Veracruz no México, Armando Chaguaceda. "Tanto a qualidade como a cobertura dos serviços se deterioraram, com reduções nos orçamentos destinados a estes setores", afirma o membro do Observatório Social da América Latina.

A deterioração inclui, por exemplo, a exportação de serviços profissionais de saúde, o que faz com que esses serviços sejam cada vez mais escassos no país, alerta Chaguaceda.

Para o economista, parte do remédio passaria, por exemplo, por uma distribuição mais racional dos recursos em Cuba. Chaguaceda sugere menos investimentos para reduzir a mortalidade infantil (já que o índice é o segundo mais baixo do hemisfério norte, depois do Canadá) e mais ações para "solucionar o abandono da infraestrutura de água potável e da gestão de águas residuais", problema que aumenta o risco de epidemias na ilha. Outra solução seria diminuir os gastos em educação básica e aumentar os salários dos professores, considerados "absolutamente insuficientes".

Kuba Arzt im Krankenhaus

O sistema de saúde cubano está em visível decadência

A situação atual de Cuba fez com que o apoio internacional inicial à Revolução Cubana se desintegrasse. Com exceção de alguns países latino-americanos, como Venezuela, Argentina, Bolívia, Nicarágua e Equador, o governo cubano tem cada vez menos aliados.

O mesmo poderia valer para a popularidade interna do governo cubano. Ao "fracasso econômico e às conquistas sociais deterioradas", Mesa-Lago acrescenta que "há também uma estagnação política. Cuba continua governada por um regime autoritário, de partido único, com controle rígido da liberdade de expressão e uma imprensa que se autocensura ou é censurada pelo governo. Não existe o direito a manifestações públicas ou greves. Os sindicatos agem apenas como um braço do governo", completa.

Chaguaceda insiste que, apesar do surgimento de alguns direitos civis – incluindo a liberdade de viajar, as oportunidades de migração e de investimento privado –, o atual processo cubano de reformas de mercado "mantém uma governabilidade autoritária". Assim, 60 anos após a tentativa de assalto ao quartel Moncada, o especialista conclui que não houve uma mudança substancial, "democratizante", na relação entre o Estado e a cidadania.

Para Chaguaceda, "a cidadania está cansada, civicamente desarmada, fragmentada do ponto de vista da comunicação e carente de referências e modelos de luta cívica e pacífica. Você vê uma poderosa elite política e financeira que controla o fluxo de informação e todos os instrumentos de poder."

Leia mais