1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

América Latina

Cuba aceita retomar conversações para aproximação com a UE

Havana e Bruxelas discutirão comércio bilateral, investimentos estrangeiros e direitos humanos. Diálogo, proposto pelo bloco há um mês, ainda não tem data para começar.

O governo do presidente cubano, Raúl Castro, aceitou uma proposta da União Europeia (UE) para discutir a normalização das relações da ilha com o bloco. A decisão é o maior gesto de aproximação entre Havana e Bruxelas em anos.

"Cuba recebe com satisfação a proposta de 10 de fevereiro da alta representante [a chefe da diplomacia europeia, Catherine Ashton], que significa o fim das políticas unilaterais da União Europeia para Cuba, e aceita as negociações", disse o chanceler cubano, Bruno Rodríguez, nesta quinta-feira (06/03).

O escritório da UE em Havana saudou a decisão, afirmando que ambas as partes iniciarão o processo o quanto antes. Na pauta das negociações estão o aumento do comércio entre Cuba e a UE, investimentos estrangeiros e diálogo sobre direitos humanos na ilha.

O ministro cubano, no entanto, não divulgou quando as conversas começarão, mas disse que o governo da ilha está disposto a debater todos os assuntos com o bloco europeu – inclusive o tema dos direitos humanos.

Kuba Außenminister Bruno Rodriguez

Rodríguez: disposição para debater todos os temas

As relações entre Cuba e a União Europeia estão abaladas desde 1996, quando o bloco adotou a chamada "posição comum", que condiciona os vínculos bilaterais a avanços relacionados aos direitos humanos.

A cooperação com Havana foi quase totalmente suspensa por Bruxelas em 2003, depois que o regime dos irmãos Castro prendeu 75 opositores.

A partir de 2005, porém, algumas sanções impostas pela UE foram levantadas gradualmente e, desde 2008, o bloco já destinou cerca de 80 milhões de euros em ajuda para Cuba. Atualmente, a UE é o maior investidor estrangeiro na ilha e o segundo maior parceiro comercial.

A decisão europeia contrasta com a posição dos EUA, que mantêm um rígido embargo econômico desde 1962.

Questionado sobre qual mensagem as negociações com a UE passam para o governo americano, o chanceler cubano disse que a resolução europeia mostra como "políticas unilaterais não funcionam e não têm lugar em tempos modernos".

"Políticas unilaterais, como as aplicadas pelos Estados Unidos a Cuba, provocam danos humanitários incalculáveis, não funcionam e estão condenadas ao fracasso", afirmou Rodríguez.

RM/afp/dpa/rtr

Leia mais