1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Crustáceos podem fornecer pistas sobre desaparecimento do voo MH370

Análise de organismos marinhos incrustados no destroço do Boeing 777 encontrado na ilha de Reunião pode confirmar se peça é mesmo do voo da Malaysia Airlines e, quem sabe, fornecer informações sobre o local do acidente.

Especialistas afirmaram nesta terça-feira (04/08) que crustáceos fixados na

parte da asa de um Boeing 777, encontrada na ilha de Reunião, na semana passada

, poderão dar pistas sobre o destino do voo MH370 da Malaysia Airlines, desaparecido em março de 2014.

A descoberta do flaperon de 2,25 metros de comprimento, com cracas incrustadas em sua superfície, aumentou as esperanças de que o mistério sobre o voo MH370 possa finalmente ser desvendado.

Especialistas iniciarão nesta quarta-feira os exames no

destroço transportado à França

, para determinar se ele de fato pertencia à aeronave da Malaysia Airlines. Cientistas afirmam que informações contidas nos crustáceos poderão revelar o tempo em que o fragmento esteve na água.

"Eles poderão medir a idade dos crustáceos e descobrir se eles são mais velhos do que a data do acidente", o que descartaria a possibilidade de o destroço ser do MH370, explica Melenie Bishop, professora de ciências biológicas na Universidade de Macquarie em Sydney, Austrália.

Cientistas afirmam que a definição da espécie desses organismos também pode indicar o local do acidente: se forem crustáceos de águas frias, a queda teria ocorrido mais para o sul do Oceano Índico; se forem tropicais, mais para o norte. E se forem do gênero Lepas, "poderíamos afirmar com certeza que o acidente aconteceu nas áreas marítimas geladas do sudoeste da Austrália", explica o geólogo Hans-Georg Herbig.

Entretanto, algumas espécies se encontram amplamente espalhadas pelo oceano, o que tornaria impossível estabelecer com precisão o local da queda do Boeing.

Segundo Shane Ahyong, especialista em crustáceos do Museu Australiano, a principal informação que os crustáceos podem fornecer é o tempo que o destroço esteve na água. Dessa forma, "é possível analisar se as informações estão de acordo com as outras evidências sobre a data do desastre".

Os investigadores na França também poderão observar outros organismos possivelmente encontrados no fragmento, como vermes aquáticos, algas coralinas vermelhas ou moluscos, que também poderão dar pistas sobre a origem do destroço.

RC/ap/rtr

Leia mais