1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Cronologia da briga nuclear com a Coréia do Norte

Programa nuclear do país comunista gera polêmica há 20 anos. Coréia do Norte provoca os EUA com golpe diplomático duplo.

O governo da Coréia do Norte admitiu, nesta quinta-feira (10/02), que possui armas nucleares e, ao mesmo tempo, anunciou que abandona as negociações internacionais para resolver pacificamente a crise. A notícia alarmou a comunidade internacional. Os EUA prevêem um crescente isolamento do país asiático. A Rússia, China e Alemanha pressionam o governo em Pyongyang a voltar à mesa de negociações. Leia a seguir uma cronologia da crise.

1985: A Coréia do Norte assina o Tratado de Não-Proliferação de Armas Nucleares.

21.10.1994: EUA e Coréia do Norte assinam um acordo em Genebra, na Suíça, pelo qual Pyongyang se compromete a suspender seu programa nuclear. Em contrapartida, Washington promete fornecer petróleo e dar apoio à construção de reatores de água leve.

31.08.1998: Um míssil atômico norte-coreano cruza o espaço aéreo japonês e cai no Pacífico. Coréia do Norte desmente a realização de testes nucleares.

29.01.2002: Em seu discurso à nação, o presidente dos EUA, George W. Bush, diz que a Coréia do Norte, Irã e Iraque formam o "eixo do mal", acusando-os de possuírem armas de extermínio em massa.

10.10.2002: EUA dizem que Coréia do Norte admitiu ter um programa nuclear secreto.

11.11.2002: EUA, União Européia e Japão suspendem fornecimento de petróleo à Coréia do Norte.

Dezembro de 2002: A Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) denuncia que a Coréia do Norte desligou equipamentos de monitoramento na usina de Yongbyon. Pyongyang diz que pretende reativar seu reator para produzir eletricidade. Os EUA e outros países condenam a medida. Coréia se diz pronta para uma guerra entre Seul e Washington.

27.12.2002: A Coréia do Norte expulsa os inspetores da AIEA.

10.01.2003: A Coréia do Norte abandona o Tratado de Não-Proliferação de Armas Nucleares.

05.02.2003: O reator da usina de Yongbyon é reativado.

02.03.2003: Pela primeira vez desde 1969, aviões de caça norte-coreanos perseguem aviões dos EUA.

12.02.2003: A Coréia do Norte anula o acordo sobre a zona livre de armas atômicas com a Coréia do Sul.

18.06.2003: Pyongyang admite pela primeira vez publicamente a existência de seu programa nuclear.

27-29.08.2003: Fracassa a primeira rodada de negociações multilateriais em Pequim entre China, Rússia, EUA, Japão, Coréia do Norte e Coréia do Sul.

03.09.2003: O parlamento norte-coreano aprova a formação de uma "força armada para intimidação nuclear".

02.10.2003: A Coréia do Norte admite que usa cerca de oito mil barras de combustível nuclar para produzir bombas atômicas.

19.10.2003: Bush oferece garantias de segurança se a Coréia do Norte desistir de seu programa nuclear, mas rejeita um pacto de não-agressão, o que leva Pyongyang a recusar a oferta.

25-28.02.2004: Fracassa também a segunda rodada de negociações multilateriais em Pequim.

23.26.06.2004: A terceira rodada de negociações multilateriais em Pequim também fracassa.

14.09.2004: A Coréia do Norte rejeita um novo encontro multinacional antes das eleições nos EUA.

14.01.2005: Em tom surpreendentemente conciliador, a Coréia do Norte se diz disposta a uma retomada das negociações sobre seu programa nuclear. 10.02.2005: O governo da Coréia do Norte admite dispor de armas nucleares e, ao mesmo tempo, anuncia que abandona as negociações internacionais para resolver pacificamente a crise.

  • Data 10.02.2005
  • Autoria gh
  • Imprimir Imprimir a página
  • Link permanente http://p.dw.com/p/6EHL
  • Data 10.02.2005
  • Autoria gh
  • Imprimir Imprimir a página
  • Link permanente http://p.dw.com/p/6EHL