Crise financeira deverá estimular migração, diz relatório da ONU | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 02.12.2008
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Crise financeira deverá estimular migração, diz relatório da ONU

Estudo das Nações Unidas aponta que crise financeira deverá fomentar movimento migratório mundial. Alemanha foi o país que mais recebeu imigrantes na Europa, informa Organização Internacional de Migrações (OIM).

default

Maioria dos migrantes mundiais é constituída por mulheres. afirmou relatório da ONU

Segundo o relatório sobre as migrações mundiais da ONU, apresentado nesta terça-feira (02/12) em Genebra, existem atualmente mais de 200 milhões de migrantes em todo o mundo. Com mais de 10 milhões de migrantes em 2005, a Alemanha é o país da Europa em que mais vivem imigrantes no continente.

O informe da Organização Internacional de Migrações (OIM) destacou "que o movimento de pessoas dentro e através de fronteiras se efetua com vistas a satisfazer os desafios socioeconômicos que a globalização traz consigo e que fazem com que a busca de trabalho propicie a maioria dos movimentos observados neste século".

O relatório apontou ainda que a atual crise financeira mundial deverá estimular novas ondas migratórias e que as tendências demográficas assinalam que, sem a imigração, a população em idade ativa dos países desenvolvidos diminuirá em 23% até 2050.

Mobilidade humana em escala sem precedentes

Integrationsgipfel in Berlin, Integration, Migranten

Mesmo em tempos de crise, migrantes são necessários, disse Appave

A OIM informou que o número de migrantes internacionais é hoje 2,5 vezes maior que em 1965 e que a maioria dos países são, simultaneamente, países de origem, de trânsito e de destino de migrantes. Gervais Appave, um dos editores do relatório, informou que a livre circulação de capitais, bens e serviços, proporcionada no século passado para o fomento da economia mundial, teve como conseqüência inevitável a mobilidade humana numa escala mundial sem precedentes.

Entre 1960 e 2005, cerca de 1,6 milhão de pessoas emigraram anualmente para países desenvolvidos, segundo o relatório. A OIM avalia que, entre 2005 e 2010, este número se elevará para 2,5 milhões por ano. Daí até 2050, 2,3 milhões de indivíduos emigrarão anualmente para países industrializados, segundo os cálculos da organização.

A Europa é o continente onde mora o maior número de migrantes no mundo (70,6 milhões), seguida da América do Norte (45,1 milhões) e da Ásia (25,3 milhões). A maioria dos migrantes veio do continente asiático.

Pressão migratória em países industrializados

O informe previu também que, nas próximas quatro décadas, a pressão migratória continuará aumentando nos países industrializados, que carecem hoje não somente de mão-de-obra especializada, mas também de imigrantes pouco ou semiqualificados – para agricultura, construção e trabalhos domésticos – necessários, mas geralmente mal aceitos, explicou a OIM.

O desequilíbrio na oferta mundial de mão-de-obra deverá piorar, assinalou o relatório. A queda do índice de natalidade e do número de pessoas em idade ativa fará com que, nos próximos 50 anos, o número de indivíduos com mais de 60 anos seja o dobro do de crianças nos países industrializados.

Por outro lado, a população ativa da África triplicará – de 408 milhões para 1,12 bilhão – até 2050. Segundo a OIM, outro estudo apontou que China e Índia constituirão, provavelmente, 40% da força laboral mundial em 2030.

Mundialmente, a proporção de trabalhadores estrangeiros está por volta dos 3%. Nos países do Golfo Pérsico, essa taxa se eleva para mais de 40%. Com exceção da África, Ásia e Oriente Médio, a maioria dos migrantes em quase todas as partes do planeta é constituída por mulheres, informou a organização da ONU.

Políticas de migração planificadas, flexíveis e abertas

Quanto à atual crise financeira, o relatório informou que ela levará, provavelmente, a novos movimentos migratórios. Espera-se, primeiramente, que trabalhadores emigrados retornem ao seu país de origem, porque perderam seus empregos. Quando a economia se recuperar, uma nova onda de migrantes partirá para países que oferecerem trabalho.

O relatório afirmou ainda que o desafio, para países desenvolvidos conscientes, estaria em adotar políticas de migração laboral planificadas, flexíveis e abertas para assegurar uma oferta segura, legal e humana para os migrantes e seus familiares.

Ao apresentar o relatório, Gervais Appave concluiu dizendo que "estes tipos de políticas são particularmente importantes durante crises econômicas mundiais como a atual. A crise financeira da Ásia dos anos 90 demonstrou que, inclusive em épocas de dificuldades econômicas, existe uma necessidade estrutural de migrantes. Por conseguinte, o mundo não tem escapatória".

Leia mais