Crise em Fukushima continua sem solução, diz Agência Internacional de Energia Atômica | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 27.03.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Crise em Fukushima continua sem solução, diz Agência Internacional de Energia Atômica

Radioatividade em água do reator 2 da central nuclear de Fukushima é 100 mil vezes maior do que o padrão. Radiação no mar também aumenta. Apesar disso, governo japonês diz ver situação parcialmente estabilizada.

default

Caminhões-pipa transportam água para regiões atingidas

Segundo a Tokyo Electric Power Company (Tepco), foi registrado, neste domingo (27/03), um nível de radiação 100 mil vezes superior ao permitido legalmente na água do reator 2 da usina nuclear de Fukushima. O vice-presidente da empresa, Sakae Muto, pediu desculpas pela informação errada divulgada anteriormente, de que esse valor seria de 10 milhões de vezes superior ao normal.

A Agência de Segurança Nuclear Japonesa (Nisa) informou que uma possível causa do aumento de radiação seria um vazamento dentro do núcleo do reator. Devido à radioatividade extrema, as medições foram interrompidas. A água contaminada tornaria o trabalho muito perigoso. O líquido radioativo deverá ser bombeado para fora, de forma que os técnicos possam instalar os necessários cabos elétricos do sistema de resfriamento dos reatores.

O governo japonês exigiu da Tepco, empresa que administra a usina, a confirmação de onde provém a água contaminada, afirmando que não existiria o perigo de contaminação em massa e descontrolada para a população.

A radiação também aumentou no mar de Fukushima, informou a Nisa. Enquanto no sábado, a concentração de iodo radioativo detectada no oceano era 1.250 vezes superior à norma, neste domingo testes apontam que a concentração ultrapassa 1.850 vezes o padrão.

Equipe da Aiea

Após o anúncio do aumento de radioatividade, a Agência Internacional de Energia Atômica (Aiea) demonstrou preocupação. "Considerando todas as escalas, trata-se de um acidente muito grave", declarou o diretor-geral da Aiea, o japonês Yukiya Amano, ao jornal New York Times .

Japan Fukushima Aufräumarbeiten

Trabalhos foram interrompidos mais uma vez em Fukushima

Amano disse também que a crise não passou, podendo durar ainda semanas ou até meses. As autoridades japonesas continuam sem saber se os núcleos dos reatores e as barras de combustível estão cobertas com quantidade suficiente de água para seu resfriamento, disse ele.

O diretor-geral da Aiea declarou ainda que seria ao menos um bom sinal o fato de o fornecimento de eletricidade ter sido parcialmente restaurado na central de Fukushima. "Mas para superar a crise, é necessário que mais seja feito". Ele disse não querer criticar o governo em Tóquio.

Nos últimos dois dias, a Aiea enviou duas equipes de especialistas ao Japão para ajudar as autoridades do país na medição da radioatividade e possível contaminação de alimentos.

Posição governamental

Apesar do anúncio do aumento extremo de radioatividade na central nuclear de Fukushima, o governo em Tóquio afirmou que a situação se encontra parcialmente estabilizada. Em coletiva de imprensa, o porta-voz do governo, Yukio Edano, declarou que as causas da elevação de radioatividade ainda são desconhecidas.

"Nós evitamos que a situação piorasse", disse Edano. "Mas as expectativas não melhoram em uma linha constante e nós esperávamos altos e baixos. A água contaminada é um desses baixos e continuaremos a consertar os danos", declarou o porta-voz.

CA/dpa/dapd/rtr
Revisão: Francis França

Leia mais