1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Crise eleva pobreza infantil nos países ricos

Segundo o Fundo das Nações Unidas para Infância, pobreza infantil aumentou em mais da metade de 41 países desenvolvidos, afetando diretamente 2,6 milhões de crianças.

Pelo menos 2,6 milhões de crianças passaram a viver abaixo da linha de pobreza nas nações mais desenvolvidas do mundo desde a crise econômica de 2008, afirma o Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância) em relatório apresentado nesta terça-feira em Roma.

O estudo, com o título As crianças da recessão, mostra que o número de menores vivendo na pobreza em 41 nações atingiu 76,5 milhões, o equivalente a quase toda a população da Turquia.

"Muitos países ricos deram um grande salto para trás em termos de rendimento familiar, e o impacto sobre as crianças terá consequências duradouras para elas e suas comunidades", afirmou Jeffrey O'Malley, chefe de política global e estratégia do Unicef.

O estudo realizado pelo órgão da ONU avaliou os países industrializados que fazem parte da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), bem como nações da União Europeia.

Constatou-se que, em 23 dos 41 países avaliados, a pobreza infantil aumentou, como resultado direto da crise. As crianças foram especialmente atingidas nos países que mais sofreram economicamente. Na Irlanda, Croácia, Letônia, Grécia e Islândia, o nível de pobreza aumentou em mais de 50%.

Na Grécia, a mais simbólica vítima da crise europeia, a renda familiar média de famílias com crianças caiu para o nível de 1998 – o equivalente a um retrocesso de 14 anos na escala de rendimentos.

Destacando o impacto da crise, o Unicef afirmou que o percentual de domicílios que não conseguem comprar carne, frango ou peixe de dois em dois dias mais do que duplicou em países como Estônia, Grécia e Itália.

Entretanto, o relatório apresentou também bons índices. Em 18 países, a pobreza infantil caiu, algumas vezes drasticamente. Austrália, Chile, Finlândia, Noruega, Polônia e Eslováquia, por exemplo, reduziram os níveis em cerca de 30%.

Programas de ajuda social

A organização criticou o fato de a maioria dos países desenvolvidos ter encerrado as políticas de ajuda social em 2010, quando articulou cortes orçamentais. A medida teve impacto negativo sobre as crianças, principalmente as da região do Mediterrâneo. "Os cortes no orçamento em programas de proteção social geraram um sério efeito cascata", afirma o Unicef.

Nos Estados Unidos, onde a extrema pobreza infantil aumentou mais nesta crise do que durante a recessão de 1982, os programas sociais foram um apoio fundamental para famílias pobres, mas menos eficazes para os miseráveis desempregados, diz o Unicef. A pobreza infantil aumentou em 34 dos 50 estados norte-americanos desde o início da crise.

"Todos os países precisam de programas sociais para proteger as crianças nos períodos ruins e bons – e as nações ricas devem dar o exemplo, explicitamente comprometendo-se a erradicar a pobreza infantil, desenvolvendo políticas para cobrir as crises econômicas e fazendo do bem-estar infantil uma prioridade", acrescentou O'Malley.

NM/afp/dpa

Leia mais