1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Esporte

Crise do Grupo Kirch ameaça futebol alemão

Os responsáveis pelo futebol na Alemanha estão preocupados com a crise financeira do KirchGruppe, um império de mídia comandado por Leo Kirch.

default

O canal Sat1, do KirchGruppe, faz a cobertura da Bundesliga

"Os direitos de televisão são a principal fonte de renda", afirmou Michael Pfad, diretor da Liga Alemã de Futebol (DFL), que organiza os campeonatos de primeira e segunda divisão. Segundo o contrato em vigor, o KirchGruppe tem de pagar 1,53 bilhão de euros até o ano 2004 para transmitir com exclusividade os jogos e as imagens da Bundesliga nos seus diversos canais de tevê aberta, dentre eles o Sat1, e no canal por assinatura (Premiere World).

Cada clube da primeira divisão recebe uma garantia mínima de 8 milhões de euros e recursos adicionais segundo a colocação na tabela. Para clubes menores, como Nürnberg, Energie Cottbus e Wolfsburg, o dinheiro da televisão representa pelo menos um terço do orçamento. Nos clubes da segunda divisão, a participação da tevê nas receitas chega a mais de 50%.

Possível falência – Mesmo os parceiros do KirchGruppe, como o magnata da mídia Ruppert Murdoch, admitem a possibilidade de falência. As dívidas ultrapassam 5 bilhões de euros e os credores estão perdendo a paciência. A situação piorou nos últimos dias com a briga entre Kirch e o grupo Springer. Esta empresa possui uma opção de venda e exige que o KirchGruppe lhe pague 770 milhões de euros por um pacote de 11,5% das ações.

Para ganhar tempo, o empresário Leo Kirch contestou a legalidade da opção e prometeu recorrer aos tribunais. O KirchGruppe comprou com exclusividade os direitos de transmissão das Copas de 2002 e 2006 e espera obter assim enormes receitas a médio prazo.

Opções – Para não ficar na dependência de um monopólio, a DFL está tratando de buscar outras alternativas para quando expirar o contrato com o KirchGruppe. Uma das possibilidades seria que a Liga gerasse seu próprio sinal de tevê e o vendesse a outras emissoras.

Esta crise serviu, pelo menos, para se tirar duas conclusões: primeiro o futebol não sobrevive sem a tevê e, segundo, se o império Kirch for a falência não há solução a curto prazo.