Crise de identidade da social-democracia ameaça o partido SPD | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 08.06.2008
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Crise de identidade da social-democracia ameaça o partido SPD

O Partido Social Democrata alemão vem perdendo prestígio junto ao eleitorado numa velocidade meteórica. Políticos de centro se vêem desafiados a reconquistar espaço político próprio e buscar nova identidade partidária.

default

Partido Social Democrata em busca de novo espaço político

Uma recente enquete do Instituto Forsa indicou uma queda histórica do prestígio do Partido Social Democrata (SPD) junto ao eleitorado alemão. O SPD, tradicionalmente o maior partido do país ao lado dos conservadores cristãos, só conta com 20% da preferência da população. Esta é a mais grave baixa dos social-democratas desde 2005, quando ingressaram na coalizão de governo com os democratas e social-cristãos.

A Esquerda, partido ao qual aderiram muitos eleitores decepcionados com o SPD, subiu um ponto percentual em relação à semana anterior, contando com 15% dos votos – um recorde para o jovem partido, fundado há um ano. Liberais e verdes conquistaram mais um ponto percentual, chegando respectivamente às marcas de 13% e 12%.

Segundo a pesquisa, o mais forte partido alemão continua sendo a União Democrata Cristã (CDU), com 36% da preferência; somando-se a isso os votos dos correligionários bávaros da União Social Cristã (CSU), os conservadores chegam a 42%.

Entre os eleitores masculinos, a situação dos social-democratas parece ainda mais drástica. Pela primeira vez, o SPD obteve – entre o eleitorado masculino – a mesma intenção de votos recebida pela Esquerda, de 17%, apenas um ponto percentual superior à dos liberais.

Desprestígio circunstancial?

Para os social-democratas mais otimistas, a perda de três pontos percentuais em uma semana e sete em três semanas tem razões mais ou menos circunstanciais.

O recente anúncio da candidata social-democrata à presidência, Gesine Schwan, foi interpretado como uma tentativa explícita de angariar os votos perdidos da ala esquerdista, justamente o segmento político dos qual os social-democratas estão tentando se afastar e diferenciar. A nomeação foi seriamente criticada pelos democrata-cristãos, com quem o SPD compõe a coalizão de governo federal.

Foi justamente a questão da proximidade ou distância da esquerda que imergiu o SPD numa crise de identidade política nos últimos anos. Um agravamento disso ocorreu em fevereiro passado, quando o presidente do partido, Kurt Beck, insinuou que a candidata social-democrata ao governo estadual de Hessen poderia aproveitar-se dos votos da Esquerda para se eleger. A recomendação foi seriamente criticada por seus correligionários.

Além disso, Beck não é um candidato muito popular ao governo federal. Dentro do SPD, multiplicam-se as vozes a defender que o candidato não precisaria ser o presidente do partido. Nomes de atuais ministros, como Frank-Walter Steinmeier (Relações Exteriores), Peer Steinbrück (Finanças) e Olaf Scholz (Trabalho) já foram aventados como alternativa a Beck.

Longe da esquerda

O afastamento programático da esquerda foi um ponto central da última convenção do SPD, no final de maio, em Nurembergue. A presidência do partido não apenas assegurou seu repúdio a qualquer composição com a Esquerda, como também se abriu para uma possível cooperação com o Partido Liberal nas próximas eleições parlamentares, em 2009.

"Queremos uma nova cultura da ascensão, na qual avancemos juntos e o êxito do indivíduo contribua para a ascensão de toda a sociedade", define o partido seu posicionamento na declaração da última convenção, que teve por tema o futuro do SPD.

"Estabelecer uma igualdade de chances é necessário, a fim de que o desempenho valha a pena para todos": uma declaração que remete à aproximação programática entre SPD e Partido Liberal antes da formação de uma coalizão federal social-liberal em 1969.

Ampliação do desempenho econômico da Alemanha, retorno ao emprego pleno, estabelecimento de uma "justiça de desempenho", fortalecimento do papel da Alemanha como potência pacifista: esses são alguns pontos do programa do SPD. A política industrial ecológica iniciada na coalizão de governo com os verdes deverá ser mantida.

A expansão do salário mínimo para mais categorias profissionais e a criação de transições mais flexíveis para a aposentadoria fazem parte das metas trabalhistas do partido. Quanto à política fiscal, o objetivo social-democrata seria baixar os encargos sociais das classes baixa e média e implementar um "imposto de ricos".

Impasse numa zona intermediária

A tentativa de defender metas sociais sem deixar de se opor à crescente liberalização do Estado social coloca os social-democratas em uma zona intermediária vaga. Desde o grande pacote de reformas sociais do governo Schröder, conhecido como Agenda 2010, o SPD passou a ser acusado de trair sua origem proletária e foi abandonado pela ala esquerdista. Por outro lado, o partido ainda não definiu um perfil de centro que o diferencie dos outros.

"Desde o início dos anos 1990, os social-democratas tentaram reformar seus Estados sociais com uma política social de economia de mercado", avalia o semanário Die Zeit a situação européia. "Mas atualmente esses governos reformistas, se é que conseguiram se manter no poder, estão se movendo por águas politicamente perigosas, quase em toda a parte. De um lado, ameaçam os partidos de esquerda socialistas ou ex-comunistas, prometendo tudo e muito mais; de outro, ameaçam os partidos de direita que se livraram da carga neoliberal e passaram a transmitir um calor social", define o jornal o dilema social-democrata.

"Sem dúvida, a social-democracia está numa situação desafiadora", declarou Kurt Beck na última convenção do partido. Até as próximas eleições parlamentares, o SPD tem um ano e meio para enfrentar esse desafio, se quiser reconquistar a confiança do eleitorado alemão. (sm)

Leia mais