1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Crise da mídia impressa compromete qualidade do jornalismo?

Grandes jornais eram vistos tradicionalmente como garantia para o jornalismo de qualidade. Mas a concorrência da internet deixa marcas: alguns jornais já pararam as máquinas e muitos diminuíram o número de tiragens.

A nova geração já definiu onde quer buscar informação e escolheu pela forma instantânea e gratuita: a internet. Como consequência, a circulação dos jornais impressos apresentou uma queda acentuada nos últimos tempos e alguns meios de comunicação impressos já declararam falência, como o jornal Frankfurter Rundschau e o jornal de economia Financial Times Deutschland.

Já o renomado Süddeutsche Zeitung prepara um corte de gastos. Na redação dos jornais regionais a situação segue a tendência e são tomadas medidas de sobrevivência como fusões e cortes de funcionários.

Velocidade e precisão

Há uma década a informação impressa e digital conviviam lado a lado e ampliaram a diversidade dos meios de comunicação na Alemanha. No entanto, de acordo com o analista Sven Gabor Janszky, a triagem começou e o impresso já perdeu grande espaço: "O setor de informação em massa no futuro vai funcionar quase completamente de forma eletrônica", prevê o chefe da empresa de pesquisa de tendências 2b Ahead. "Quem ganha dinheiro com os meios de comunicação impresso terá dificuldade para continuar lucrando."

Symbolbild Zeitungskrise

Dois grandes jornais fecharam as portas na Alemanha: 'Frankfurter Rundschau' e 'Financial Times Deutschland'

Para Janszky o jornal impresso se tornou obsoleto porque é muito lento."Queremos ter a informação a todo momento e onde quer que estejamos." Com os smartphones, laptops e redes sociais, não há mais espaço para produtos impressos, diz Janszky. Os programas eletrônicos que analisam automaticamente e de forma muito precisa o tipo de busca de cada usuário se tornam cada vez mais importantes.

Na área de comunicação de massa, a ferramenta de filtro absorveria cada vez mais a tarefa dos jornalistas. Isso permitiria que a informação fosse adaptada precisamente de acordo com as preferências de um usuário, prevê o analista: "O jornal na minha tela apareceria diferente do seu."

Mudança de conteúdo

Zeitungssterben Sven Gabor Janszky Trainer Redner neuer Ausschnitt

Sven Gabor Janszky: jornalismo impresso seria apenas semanal ou mensal

O fim do jornal impresso, no entanto, não significa necessariamente o fim da informação em papel, acalma Janszky os fãs da mídia impressa. Porém, no futuro será um item de luxo. "As informações impressas serão direcionadas para um segmento privilegiado que busca informação num contexto editorial."

Não haverá mais notícias factuais impressas, haverá apenas publicações direcionadas para uma elite que circulam uma vez por semana, uma vez por mês ou até trimestralmente, explicou.

As análises e material de background seriam apenas um complemento da informação já obtida diariamente na rede. Um exemplo positivo é o semanário Die Zeit que, ao contrário da tendência dos meios impressos, registra a cada semana novos recordes de vendas.

Para o resto do setor impresso, fechar as portas é algo que está por vir, prevê o analista de tendências. Para ele, a qualidade da cobertura jornalística será prejudicada. “Nós vamos ver que o jornalismo de qualidade vai se reduzir a um nicho que é muito caro, mas que possui um público-alvo. Teremos que nos despedir dos produtos de massa que ainda são de qualidade”, afirma Janszky, provocando pessoas como Frank Schirrmacher.

Schirrmacher é editor de um dos jornais alemães mais respeitados, o Frankfurter Allgemeine Zeitung (FAZ), e luta fortemente contra a completa digitalização do setor de informação. "O que aconteceu com a democratização da informação?", questionou Schirrmacher de forma retórica seus leitores numa das edições de seu jornal. A resposta dele, contudo, é pouco favorável aos meios digitais: A "nova e bela economia da informação" resultou no surgimento de grandes empresas como Amazon, Google, Facebook e Apple.

Solução em conteúdo digital pago

A crise do impresso entrou na agenda do governo alemão, influenciado também por acontecimentos na imprensa dos EUA e Reino Unido. Recentemente, a revista norte-americana Newsweek encerrou a edição impressa após 80 anos de circulação. A partir de 2013, o conteúdo será apenas disponibilizado online. No vídeo semanal gravado pela chanceler federal Angela Merkel e veiculado pela internet, ela comentou estar preocupada com essa tendência e desejou um bom futuro para os jornais e revistas tradicionais.

Prof. Dr. phil. Klaus Meier

Klaus Meier: qualidade depende do modelo de gestão

Já o professor de jornalismo Klaus Meier ainda demonstra otimismo frente à mídia impressa alemã. "Eu não acho que num futuro próximo novos jornais serão completamente fechados na Alemanha", diz o especialista em Crossmedia da Universidade Católica de Eichstätt-Ingolstadt.

Os jornais impressos já percorreram um longo caminho, diz Meier, "Se comparar o jornal de hoje com o de 20 anos atrás, é possível notar a diferença gráfica e o quanto são mais avançados."

Para Meier, apesar do declínio nas vendas, o jornal impresso ainda é forte e ele prevê que a longo prazo a mídia online conviverá com uma mídia impressa reduzida. "Os jornais que eram diários vão aparecer ainda uma ou duas vezes por semana com uma edição impressa, ao contrário da edição online, então com publicações atuais e interativas."

Modelo de gestão

Se essa mudança vai afetar a qualidade do jornalismo, a decisão dependerá de qual será o modelo de gestão que os donos dos meios de comunicação irão impor. É cada vez mais frequente o sistema "Paywall", no qual o usuário paga pelo conteúdo digital do site, diz o professor. "Por outro lado, vamos perceber cada vez mais que o jornalismo não é 100% comercializável, e que precisamos pensar em modelos de instituição, talvez por meio de investimentos do Estado."

Como exemplo, ele comenta a criação de organizações não governamentais, como a Pro Publica, nos Estados Unidos, que apoia os jornalistas ou editores através de bolsas de estudos para pesquisas. No entanto, nem mesmo o especialista pode afirmar se isso seria suficiente para garantir o espaço da mídia impressa.

Autor: Richard A. Fuchs (fa)
Revisão: Carlos Albuquerque

Leia mais