Crise argentina afetou pouco os vizinhos | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 05.12.2001
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Crise argentina afetou pouco os vizinhos

Relatório do Dresdner Bank Lateinamerika contém análises e perspectivas otimistas para o Brasil e países da América Latina.

default

Agravamento da crise na Argentina exigiu medidas drásticas por parte do governo de Buenos Aires

O agravamento da crise econômica e financeira na Argentina surtiu menos efeitos que o esperado nas nações vizinhas. No Brasil, os juros para empréstimos e a moeda se recuperaram claramente em outubro, assinala o relatório sobre perspectivas para a América Latina, lançado esta semana pelo Dresdner Bank.

Numa análise do relatório, publicada nesta quarta-feira no Frankfurter Allgemeine Zeitung (FAZ), o jornal destaca a economia brasileira como a principal na América do Sul. O relatório do banco destaca que o Brasil foi o principal atingido pela crise no país vizinho, mas a moeda recuperou-se bem. Em setembro último, a cotação do real em relação ao dólar era de 2,85, mas ela chegou agora a 2,45: a maior valorização da moeda brasileira desde o mês de julho.

Perspectiva otimista – A valorização do real teria trazido "alívio em várias frentes". A dívida pública vai estabilizar-se e o volume de juros da dívida externa, acoplada à moeda norte-americana, será menor. A médio prazo, pode-se esperar um impulso moderado na conjuntura (o PIB brasileiro previsto para 2002 é de 2,5%), arrisca o relatório do segundo maior banco alemão.

As projeções otimistas, entretanto, podem ser alteradas em função de alguns fatores, como as eleições presidenciais brasileiras em outubro do próximo ano, o desenvolvimento da crise argentina e a fraca evolução da conjuntura mundial.

Destacando as dificuldades da economia argentina, o relatório do Dresdner Bank ressalta que as restrições aos saques impostas naquele país são um mal necessário para evitar a derrocada do sistema bancário. Assinalou, entretanto, que elas impedem a fluidez de capital, como a saída de 15 bilhões de dólares absorvidos nos últimos meses.

Os analistas do Dresdner Bank temem também que as limitações ao trânsito de capitais possam afetar o entendimento com o Fundo Monetário Internacional (FMI), que negocia com o governo de Buenos Aires um crédito de 1,3 bilhão de dólares. O chefe da delegação do FMI no país já teria sido chamado a Washington para prestar contas dos acontecimentos.

Leve aceleração do crescimento – O Dresdner Bank Lateinamerika prevê uma que o Produto Interno Bruto na América Latina vai aumentar em 1,7% no próximo ano, depois do crescimento em 0,6% em 2001.

Já o México está sendo vítima da fraca demanda dos Estados Unidos. Mesmo assim, o banco alemão espera sua recuperação e faz uma previsão de 1,5% para o crescimento do PIB mexicano. As perspectivas para a Venezuela e a Colômbia dependem da evolução dos preços e das suas exportações de petróleo. Para o Chile, o relatório do Dresdner Bank para a América Latina prevê um aumento do PIB de 3,6% para 2002.

Links externos