1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Crise ameaça sobrevivência de partido de extrema direita na Alemanha

Enquanto enfrenta risco de ser banido, ultradireitista NPD se vê à beira de um colapso financeiro, conta com pouco apoio popular e está rachado por disputas internas. Orientação política e imagem da legenda devem mudar.

O Partido Nacional Democrático da Alemanha (NPD), de extrema direita, passa por uma séria crise existencial. Os recursos financeiros escasseiam, seu líder renunciou ao cargo e a sigla enfrenta fortes ameaças de banimento. "O ano de 2013 não foi nada bom para o NPD", resume Alexander Häusler, especialista em extremismo de direita e neonazismo da Universidade de Düsseldorf.

O partido encontra-se à beira de um colapso financeiro após o Tribunal Constitucional Federal, a mais alta corte alemã, ter suspendido o repasse de recursos estatais. Em teoria, assim como todas as legendas que conseguem um determinado número de votos nas eleições, o NPD estaria apto a receber esses fundos.

.

Cartaz da campanha do NPD nas eleições de 2013: dinheiro para as avós, em vez de dá-lo aos sinti e roma

Cartaz da campanha do NPD nas eleições de 2013: "dinheiro às avós, em vez de dá-lo aos sinti e roma"

Entretanto, a Justiça decidiu que o partido terá que pagar uma multa de 1,27 milhão de euros por ter emitido uma falsa declaração de finanças em 2007. O valor será abatido diretamente do suporte financeiro estatal a que a sigla tem direito

Para completar, as últimas eleições parlamentares, em 22 de setembro, confirmaram a popularidade minguante do partido junto ao eleitorado: o NPD obteve ínfimos 1,3% dos votos.

Renúncia para evitar expulsão

O partido passa por uma disputa interna de poder, também motivada por inimizades pessoais. Em meados de dezembro, o presidente da legenda, Holger Apfel, renunciou ao cargo após dois anos, alegando estar sofrendo de forte estresse devido ao trabalho. Pouco depois, ele acabou deixando o partido.

Segundo rumores, porém, o motivo da saída de Apfel seria outro: ele teria assediado sexualmente um dos militantes do partido durante a última campanha eleitoral. No NPD, de caráter notoriamente homofóbico, este seria o pior escândalo que se poderia imaginar.

É possível que Apfel tenha renunciado, e posteriormente abandonado a legenda, no intuito de evitar uma expulsão. Ele próprio afirmou ter sido vítima de uma "campanha de ódio pessoal". Um de seus colegas de partido ainda teria sugerido a ele que cometesse suicídio.

Häusler aponta que há uma verdadeira "briga na lama" acontecendo atualmente no NPD, por trás da qual haveria uma "disputa de poder sobre a futura direção do partido". Apfel, afirma o especialista, almejava um novo direcionamento para a sigla, e com um "radicalismo sério" aproximar a legenda da sociedade, por trás de uma imagem superficial de ativismo social. O NPD, na visão do ex-líder, não deveria mais se apresentar abertamente como neonazista.

Segundo Häusler, Apfel acabou ganhando muitos inimigos ao defender essa nova postura. "O NPD é formado, em grande parte, por indivíduos criminosos, violentos, que seguem claramente as ideologias nazistas, e que viram nessa proposta uma traição à orientação do partido", explica.

Retorno da linha dura

O cientista político Wolfgang Gessenharter, também especialista em extremismo de direita, concorda com a visão de Häusler. "Parece-me que, acima de tudo, são os membros do comitê executivo do partido, como Udo Pastörs e outros, que desaprovam a 'suavização' do NPD", observa.

Holger Apfel renunciou à presidência do NPD após denúncias de assédio sexual

Holger Apfel renunciou à presidência do NPD após denúncias de assédio sexual

Até o momento, Pastörs é o vice-presidente do partido e também líder da legenda no Parlamento do estado de Mecklemburgo-Pomerânia Ocidental. Ele é tido como um dos integrantes da "linha dura" do NPD, famoso por alguns embaraços públicos. Em 2009 ele foi condenado por incitação ao ódio após insultar cidadãos turcos, chamando-os de "canhões de sêmen".

Pastörs deve continuar liderando interinamente o NPD até o partido escolher um novo presidente no próximo ano. Ainda não se sabe quem deve ocupar o cargo, mas Gessenharter acredita que o próprio Partörs tem grandes chances de se eleger presidente.

Tudo indica que Pästors deverá enfrentar a concorrência de outro veterano do NPD que aparentemente já atua nos bastidores, preparando seu retorno. Trata-se do ex-líder de extrema direita Udo Voigt, que chefiou a legenda entre 1996 e 2011, até ser removido do poder por Holger Apfel.

"Voigt nunca superou o fato de ter sido retirado da liderança do partido", acredita Gessenharter. Recentes declarações e ações de Voigt já deixaram claro que ele se vê apto a retomar as rédeas do NPD, avalia o cientista político.

Pressão cada vez maior

Independentemente de quem se tornará o próximo líder do NPD, a orientação política e a imagem do partido deverão ser novamente alteradas. "Tudo indica que o NPD vai abandonar sua fachada de aparente seriedade e deve admitir seu conteúdo abertamente nacional-socialista", analisa Alexander Häusler.

Udo Pastörs, da linha dura do partido, é presidente interino do SPD

Udo Pastörs, da "linha dura" do partido, é presidente interino do SPD

Isso, no entanto, deverá fornecer ainda mais munição ao processo movido pelos estados alemães, que requerem o banimento do partido junto ao Tribunal Constitucional. O especialista acredita que os esforços pela proibição do NPD – fracassados em 2003 – poderão, dessa vez, obter êxito.

Já o cientista político Gessenharter não é tão otimista. Para ele, a dúvida é se a corte estaria de fato preparada para limitar a sua própria iniciativa de preservar a liberdade de opinião.

"Pode-se dizer as coisas mais ridículas ou ofensivas, mas enquanto elas ficarem restritas ao campo das opiniões, não há muito que a Corte Constitucional possa fazer", explicou. Ele alerta que uma segunda tentativa frustrada de banir o NPD seria um desastre para os que desejam abolir o grupo nacional-socialista.

Häusler observa que "durante o curso de seu desenvolvimento, o partido passou por várias crises. Já esteve diversas vezes à beira da falência e sofreu perdas de votos". Ainda assim, o NPD em seus quase 50 anos de existência conseguiu se reinventar em diversas ocasiões e permanecer vivo.

Leia mais