1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Copa do Mundo

Crescem especulações sobre cancelamento da Copa das Confederações

Fifa estaria pressionando o governo brasileiro por garantias de segurança a atletas e delegações, noticia a imprensa brasileira. Oficialmente, a entidade e a Presidência da República negam qualquer ameaça à competição.

Em meio aos protestos em parte violentos nas maiores cidades brasileiras, crescem os rumores na imprensa de que a Copa das Confederações possa ser cancelada para evitar riscos à segurança de integrante das seleções e funcionários da Fifa.

O site UOL Esportes noticiou nesta sexta-feira (21/06) que a cúpula da Fifa teria dado um "recado" à presidente Dilma Rousseff: se mais algum membro das seleções que participam do torneio ou da imprensa internacional sofrer algum ato de violência, a competição seria cancelada.

A presidente já havia convocado uma reunião de emergência em seu gabinete na manhã desta sexta-feira para discutir os protestos pelo país, que deverá também incluir a questão da segurança na Copa das Confederações. O objetivo seria garantir à Fifa que o país tem condições plenas de dar continuidade ao torneio.

Protestos em frente ao estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro

Protestos em frente ao estádio do Maracanã

Ao mesmo tempo, a UOL Esportes afirma que, oficialmente, a Fifa e o Comitê Organizador Local negaram qualquer reclamação ao governo ou possibilidade de cancelamento da competição. A área de comunicação da Presidência da República também nega ter conhecimento sobre o assunto, segundo o site.

A Fifa afirmou, em nota à imprensa, que até o momento a opção de cancelamento da Copa das Confederações sequer chegou a ser discutida pela entidade ou pelo Comitê Organizador Local. "Em nenhum momento a Fifa considerou, com as autoridades locais, abandonar a Copa das Confederações", reiterou nesta sexta-feira o porta-voz do organismo máximo do futebol mundial, Pekka Odriozola.

O motivo da especulação sobre a interrupção do torneio são os protestos realizados pelo país e que se intensificaram nos últimos dias, resultando em choques entre policiais e manifestantes.

O jornal O Estado de S. Paulo e a rádio CBN noticiaram que a competição, considerada um teste para a Copa do Mundo do próximo ano, corre o risco de ser cancelada. A CBN chegou a anunciar que a Fifa iria requerer compensações do Brasil se o torneio fosse interrompido em razão das manifestações.

A CBN noticiou que os jogadores de uma das equipes que disputam a Copa das Confederações estariam pressionando seus superiores para abandonar a competição, temendo pela segurança de seus familiares que vieram ao Brasil para assistir às partidas.

A Lei Geral da Copa prevê que, se o país-sede não garantir a segurança das delegações, torcedores e funcionários da Fifa, o evento pode de fato ser cancelado e o governo brasileiro teria que arcar com os eventuais prejuízos, lembra o UOL Esporte.

Brasilien Proteste gegen den Konföderationen-Pokal in Brasilia

Protestos perto do Estádio Mané Garrincha

O jornal Folha de S. Paulo noticiou que as equipes participantes e a própria Fifa estariam "aterrorizados" com a situação no Brasil. "A competição se tornou um pesadelo para a organização. A dimensão dos problemas é mais grave do que o pior cenário imaginado pela Fifa", escreveu o jornal.

A entidade orientou os seus membros e funcionários para que se locomovam em conjunto na ida e na volta aos estádios, sempre com escolta policial.

Não há partidas marcadas para esta sexta-feira. O torneio continua no sábado, quando o Brasil enfrenta a Itália em Salvador.

Os protestos – que se voltam também contra os gastos excessivos dos governos com a Copa das Confederações e com a Copa do Mundo – atingiram seu ponto mais alto na noite desta quinta-feira, levando mais de um milhão de pessoas às ruas em pelo menos 80 cidades brasileiras.

Leia mais