Críticos das próprias fileiras desafiam Angela Merkel | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 10.01.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Críticos das próprias fileiras desafiam Angela Merkel

Líderes de bancadas do partido da chefe de governo de quatro estados criticaram o estilo político da chanceler federal. O parceiro na coalizão de governo a acusa de fraqueza na liderança e oposição zomba.

default

Merkel com os líderes do FDP, Guido Westerwelle (esq.), e da CSU, Horst Seehofer. Encontro no final de janeiro tratará da crise interna

Em artigo publicado no jornal Frankfurter Allgemeine Sonntagszeitung deste domingo (10/01), os líderes das bancadas da União Democrata Cristã (CDU) de Hessen, Saxônia, Turíngia e Brandemburgo, acusam Angela Merkel de ter conduzido a campanha eleitoral do ano passado não como presidente do partido, mas como chefe de governo.

"Durante a campanha eleitoral, a chanceler federal não se apresentou como principal candidata da aliança CDU/CSU, mas como chanceler à frente de uma grande coalizão [na época, com o Partido Social Democrata, SPD], diz o artigo assinado pelos políticos.

"O estilo 'presidencialista' da chanceler federal lhe trouxe grande popularidade, mas pouca identificação político-partidária", escrevem os líderes das bancadas da CDU nos estados de Hessen, Saxônia e Turíngia, Christean Wagner, Steffen Flath e Mike Mohring, assim como a vice-líder na representação estadual de Brandemburgo, Saskia Ludwig.

O termo "presidencialista" deve ser compreendido no contexto da política alemã, em que o chefe de Estado possui apenas algumas atribuições executivas, sendo antes uma figura representativa, quase simbólica.

Vitória nas urnas foi sorte?

A CDU decidiu-se claramente contra uma campanha eleitoral agressiva, reclamam os líderes estaduais. "A maioria de governo conquistada por CDU/CSU e FDP não se deveu a uma estratégia eleitoral convincente. Foi, muito mais, uma questão de sorte."

Também o Partido Liberal Democrático (FDP) criticou a falta de liderança de Merkel e exigiu que ela se imponha dentro da CDU. O vice-presidente do FDP Andreas Pinkwart disse à revista semanal Focus esperar da chanceler federal "que faça uso de sua competência como líder do partido" para destacar "dentro das próprias fileiras" a coalizão entre CDU/CSU e FDP como um projeto de futuro.

Somente assim "o coral polifônico da coalizão voltaria a soar em tom uníssono". Cornelia Pieper, também vice-presidente dos liberais, sugeriu a Merkel que chame a atenção dos que querem difamar o acordo de coalizão: "O FDP espera que ela volte tomar em suas mãos a liderança da coalizão".

O perito em política interna da bancada da CDU/CSU no parlamento, Wolfgang Bosbach, rechaça as críticas a Merkel. A chefe de governo estaria se mantendo quieta e isso seria o sensato nesta situação, disse o Bosbach neste sábado à emissora RBB-Inforadio. "Qualquer palavra dura exacerbaria a situação, em vez de acalmá-la", acrescentou.

Alívio fiscal é ponto de atrito

A coalizão alemã de governo procura consenso sobre uma série de temas. Um dos problemas centrais são as divergências de opinião sobre alívios fiscais, exigidas pelos liberais.

A crise será o tema central de uma reunião entre os presidentes nacionais da CDU, CSU e FDP marcada para o final de janeiro. Antes disso, na próxima semana, o diretório nacional da CDU se reunirá para analisar a estratégia eleitoral e o resultado da campanha eleitoral de 2009.

Há mais conflitos entre a atual coalizão de governo do que a anterior, entre CDU/CSU e social-democratas, acredita Andrea Nahles, secretária-geral do SPD. O encontro no final de janeiro será o terceiro anúncio de um suposto reinício, salientou Nahles à emissora Deutschlandfunk. Ao mesmo tempo, Merkel se cala diante das discussões, acrescentou.

De forma semelhante manifestou-se a copresidente do Partido Verde Renate Künast. "Tão caótica a coalizão vermelho-verde nunca foi", disse ao jornal Bild, referindo-se à época em que o governo alemão foi dividido entre o se partido e o Social Democrata. "Não há planos para a criação de empregos através de energias renováveis e nenhuma melhora na educação. Em vez disso, confusas promessas de alívio fiscal e presentes para hoteleiros e herdeiros ricos." Ao mesmo tempo, aumentam-se os tributos e se economiza na segurança pública, reclamou.

Autor: Oliver Samson (rw)
Revisão: Augusto Valente

Leia mais