1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Corrupção causa furo de 200 bi nos cofres públicos alemães

Os escândalos das apostas no futebol, ganhos extras dos políticos e suborno de parlamentares e funcionários públicos são sinais de que a corrupção aumenta na Alemanha.

default

Negócios duvidosos entre poder público e empresas privadas

Houve um tempo em que os alemães eram considerados resistentes à corrupção. Essa imagem do país parece estar mudando. São cada vez mais freqüentes as denúncias de negócios obscuros envolvendo diferentes setores da sociedade.

Os exemplos mais recentes que vierem a público foi o favorecimento de deputados federais por centrais elétricas e empresas de consultoria, bem como o maior escândalo do futebol alemão dos últimos 30 anos, envolvendo a manipulação de resultados por um árbitro subornado pela máfia das apostas.

Esses dois casos, no entanto, são apenas a ponta do iceberg. A Justiça alemã suspeita que os maiores índices de aumento da corrupção ocorrem no setor privado. Segundo a União Alemã dos Investigadores Criminais (BDK), na melhor das hipóteses, apenas 2% das propinas pagas são descobertas.

Furo de 200 bilhões de euros

A BDK calcula que só os casos confirmados geram um prejuízo econômico de 5,8 bilhões de euros por ano ao país. A organização Transparência Internacional estima que na Alemanha o abuso de poder público e empresarial para fins privados provoca um furo anual de mais de 200 bilhões de euros nos cofres públicos.

"Os banqueiros e executivos dos grandes conglomerados riem, quando vêem os políticos preocupados com mordomias como o uso de carro oficial, ganhos extras, obtenção de eletricidade gratuita ou descontos especiais em supermercados", diz o porta-voz da entidade, Uwe Dolata.

O procurador público de Frankfurt, Wolfgang Schaupensteiner, está de olho principalmente nas relações duvidosas entre empresas privadas e o setor público. "Há casos freqüentes de firmas sob controle público, como a Fraport (administradora do Aeroporto de Frankfurt), a Frankfurter Messe (feiras) e a Deutsche Bahn (rede ferroviária) que abrem a mão na hora da licitação. O setor privado, por sua vez, recupera o suborno pago através de contas superfaturadas e, ainda por cima, embolsa provisões", diz.

Crime do colarinho branco

Esse princípio também funciona entre empresas privadas. Em meados do ano passado, a Procuradoria Pública de Frankfurt desbaratou uma rede de corrupção no setor imobiliário, envolvendo projetos milionários na Europa, propinas no valor de 15 milhões e mais de 10 milhões de euros em impostos sonegados. Entre os mais de 80 suspeitos estão gerentes de projetos e fundos de investimento, arquitetos e empreiteiros.

Pela lei anti-suborno em vigor desde 1999 , tanto funcionários públicos quanto empresários podem ser punidos por corrupção. Subornos pagos no exterior não podem mais ser abatidos do imposto. Os promotores públicos são obrigados a investigar indícios de corrupção nas empresas alemãs.

Schaupensteiner prevê um aumento das denúncias de práticas ilegais envolvendo o setor privado. Para não decepcionar os denunciantes, ele reivindica reforços para o Ministério Público e a polícia bem como a introdução de uma lista nacional de empresas corruptas a serem banidas das licitações públicas.

Combate mais rigoroso

Betrug mit EU-Geldern

Peritos pedem mais rigor no combate à corrupção

"Quanto maior o controle, mais casos de corrupção são descobertos", diz Dagmar Schröder, diretora da seção alemã da Transparência Internacional. Tanto Schröder quanto Dalota dizem que a Alemanha está atrasada em relação aos padrões internacionais de combate à corrupção. "As regras sobre o suborno de parlamentares, por exemplo, são tão restritas que até agora não foi possível punir um caso sequer", diz Dalota. A lei de 1994 proíbe a compra de votos no Parlamento (Bundestag), mas não prevê punição para decisões "compradas" em outros grêmios políticos.

Um outro absurdo – segundo Dalota – é que uma lei internacional ratificada pela Alemanha em 1999 proíbe empresas alemãs de subornar políticos no exterior. "Mas se elas pagarem a mesma propina a um deputado alemão, não são punidas", diz.

Dalota sugere que a Alemanha siga o exemplo dos países escandinavos e da Suíça no combate à corrupção. Pelo índice da Transparência Internacional, a Finlândia é o país menos corrupto do mundo, enquanto a Alemanha ocupa o 15º lugar.

Leia mais