1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Coreia do Norte tacha novas sanções dos EUA de "hostilidades infundadas"

Pyongyang reiterou não envolvimento em ciberataque que atingiu a Sony Pictures. Washington impõe medidas após acusar o país comunista de estar por trás da ação de hackers contra companhia cinematográfica.

default

"Liberdade prevalece", diz letreiro de cinema nos EUA anunciando "A entrevista"

A Coreia do Norte condenou neste domingo (04/01) as novas sanções impostas pelos Estados Unidos, em represália pelo ciberataque contra o sistema informático da Sony Pictures. Pyongyang acusa Washington de lançar "hostilidades infundadas" o país comunista, e criticou a recusa da Casa Branca de realizar investigações conjuntas sobre o caso.

O Ministério do Exterior norte-coreano disse que a recusa de Washington em fazer uma investigação conjunta é prova de "consciência pesada". "As ações persistentes e unilaterais da Casa Branca e a adoção de sanções mostram claramente que esta não se afastou da sua relutância e da sua hostilidade inveteradas" em relação à Coreia do Norte, disse um porta-voz, citado pela agência de notícias oficial coreana KCNA. "As novas sanções só vão reforçar a determinação de Pyongyang em fazer do programa militar sua prioridade", advertiu.

Os EUA, que acusam o governo norte-coreano de estar por trás do ataque cibernético, adicionaram à sua lista negra, na sexta-feira, dez altos funcionários do regime, os serviços secretos norte-coreanos e duas empresas ligadas ao setor militar do país comunista. Na ocasião, a Casa Branca advertiu que esta é "a primeira fase" de sua resposta ao ataque de hackers, com o qual o governo de Pyongyang segue negando envolvimento.

"Primeira fase"

Após o ciberataque, no final de novembro, e temendo ataques terroristas contra cinemas americanos, a Sony Pictures cancelou a estreia de A entrevista. Estrelado por James Franco e pelo codiretor Seth Rogen, o filme narra a história de dois jornalistas aliciados pela CIA para assassinar o ditador norte-coreano Kim Jong-un. Depois de o presidente dos EUA, Barack Obama, criticar a decisão dos estúdios, porém, o filme foi disponibilizado ao público.

As atuais sanções foram a primeira resposta oficial assumida por Washington desde o ataque contra a Sony, reivindicado pelo misterioso grupo de hackers Guardiões da Paz. Nunca antes o país havia aplicado medidas contra outra nação como retaliação direta por um ataque cibernético contra uma companhia americana.

Sites da Coreia do Norte na internet foram recentemente vítimas de interrupções por quase dez horas, mas Washington recusou-se a confirmar ou negar ser responsável pelo blecaute. A Coreia do Norte tem sido objeto de um amplo conjunto de sanções internacionais relacionadas a seu controverso programa nuclear.

MD/lusa/afp/dpa

Leia mais