Coreia do Norte afirma que produzirá plutônio apesar de sanções da ONU | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 13.06.2009
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Coreia do Norte afirma que produzirá plutônio apesar de sanções da ONU

Em reação ao recente teste nuclear por parte da Coreia do Norte, o Conselho de Segurança da ONU aprovou por unanimidade a ampliação das sanções contra o país, que ameaça agora produzir plutônio para fabricação de armas.

default

Conselho de Segurança aprovou resolução por unanimidade

Depois de 14 dias de intensas negociações a portas fechadas, os 15 países que compõem o Conselho de Segurança das Nações Unidas (ONU) aprovaram por unanimidade, na sexta-feira (12/06), a Resolução 1874 da ONU, que amplia as sanções contra o regime de Pyongyang.

A ampliação engloba o endurecimento do embargo de armas e a restrição aos negócios financeiros do governo da Coreia do Norte e de empresas estatais. Além disso, todos os países-membros das ONU ficam autorizados a investigar navios norte-coreanos em alto-mar, caso haja suspeita suficiente de que transportem de armas ou material nuclear.

A resolução das Nações Unidas prevê ainda a proibição de novos testes nucleares por parte da Coreia do Norte, que deverá abdicar comprovadamente de seu programa de armas nucleares.

Após o anúncio do endurecimento das sanções, no entanto, o governo da Coreia do Norte declarou que dará início ao enriquecimento de urânio e que produzirá plutônio para fabricação de armas. Neste sábado, a mídia sul-coreana afirmou que Pyongyang consideraria um bloqueio contra a Coreia do Norte como um "ato beligerante".

Críticas do único parceiro

Com sua anuência à resolução, a China – o único parceiro político e maior parceiro comercial da Coreia do Norte – afasta-se mais uma vez de forma clara do governo do presidente Kim Jong-il. O governo chinês criticou duramente o teste nuclear realizado em 25 de maio último pela Coreia do Norte.

Em declaração divulgada neste sábado através da agência de notícias Xinhua, o porta-voz do Ministério chinês do Exterior afirmou que o programa nuclear da Coreia do Norte "viola resoluções fundamentais do Conselho de Segurança da ONU, compromete a eficácia de mecanismos internacionais para a não proliferação da tecnologia nuclear e, além disso, sepulta a paz e a estabilidade no Nordeste Asiático".

O governo chinês considera as medidas impostas pela ONU contra a Coreia do Norte como "apropriadas e equilibradas". Ao mesmo tempo, Pequim exortou a comunidade internacional a manter um tom moderado com Pyongyang e a respeitar as "preocupações de segurança e os interesses de desenvolvimento" do país.

Reações da comunidade internacional

Kim Yong Il Machthaber Nordkorea

Kim Jong-il provocou o mundo com teste nuclear

Através da ampliação das sanções contra a Coreia do Norte, os iniciadores da proposta – Estados Unidos, França, Reino Unido, Japão e Coreia do Norte – quiseram dar um sinal de coesão da comunidade internacional, aumentando assim a pressão sobre a Coreia do Norte.

A representante norte-americana na ONU, Rosemary DiCarlo, saudou a resolução como "robusta e sem precedentes". O vice-embaixador britânico na ONU, Philip Parham, salientou que "a comunidade internacional condenou de forma coesa as atividades da Coreia do Norte".

O Japão exigiu que a Coreia do Norte respeitasse a resolução do Conselho da ONU. Este seria "o único caminho que a Coreia do Norte tem para sobreviver na comunidade internacional", afirmou o porta-voz do governo japonês em Tóquio.

Frank-Walter Steinmeier, ministro alemão das Relações Exteriores, também saudou o endurecimento das sanções da ONU como um "sinal claro de que a comunidade internacional não aceita mais as provocações de Pyongyang", afirmou o ministro alemão nesta sexta-feira.

Novo teste atômico

Assim como outros representantes internacionais, Steinmeier exige que a Coreia do Norte desista de seu programa de armas e mísseis atômicos e que não mais realize testes nucleares. Além disso, o ministro alemão pede que o país retorne à mesa de negociações das assim chamadas "conversas das seis nações", que incluem as duas Coreias, China, Rússia, Japão e Estados Unidos.

O governo sul-coreano também saudou expressamente o endurecimento das sanções da ONU e conclamou a Coreia do Norte a aceitar este recado "claro e explícito" da comunidade internacional.

Na Coreia do Sul e em outros países da região, no entanto, teme-se que o vizinho do norte empreenda novos testes de foguetes e, possivelmente, um novo teste atômico, em resposta à resolução do Conselho de Segurança da ONU.

CA/dpa/afp/dw
Revisão: Augusto Valente

Leia mais