COPA 2010 – ALEMÃES PEDEM PROIBIÇÃO DA VUVUZELA | Escreva sua opinião, comentários, críticas ou sugestões | DW | 19.06.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Sua Opinião

COPA 2010 – ALEMÃES PEDEM PROIBIÇÃO DA VUVUZELA

Nossos leitores comentaram esta semana temas relacionados à Copa de 2010, a exposição em Munique sobre a princesa Amélie e a entrevista do historiador João Pinto Furtado.

default

Concordo que faz parte da tradição dos sul-africanos, mas o barulho que as vuvuzelas fazem é superirritante e não se pode ouvir nada das torcidas, o que é uma pena.
Cristina Vargas

Proibir as vuvuzelas? Concordo plenamente em proibir esse tipo de diversão. Eu, como brasileira, acho que tocar tambor, cantar hinos é muito mais agradável. Por exemplo, o Brasil poderia contratar o grupo da Bahia Olodum para fazer sua manifestação de alegria, a Alemanha poderia ter seus lindos grupos musicais com cornetas e tudo, mas não esse "terecoteco", que irrita e atrapalha. Sem comentários, proíbam pelo amor de Deus, ou pelo menos quando a Alemanha joga.
Angélica de Melo

Lugar de tranquilidade é na igreja rezando e não na Copa do Mundo, isso é coisa de alemão chato!
Luciano Lincoln

Estamos simplesmente desligando o som da televisão porque não dá para aguentar um som horrível destes por muito tempo.
Tiago Godoy

ALEMANHA ESTREIA NA COPA 2010 COM SHOW DE GOLS

Você acha que a Alemanha pode levar o título na África do Sul? Sim, é a melhor seleção da Copa. Espero que a final seja entre a Alemanha e a caquética seleção do Brasil. E o resultado final, a Alemanha campeã do mundo. PS: Sou brasileiro nato, mas nesta Copa não vou torcer pelo Brasil. E a minha torcida é para a Alemanha. E por sinal, o país tem as mais belas mulheres da Europa.
Alexandre Soares

ESTREIA DA SELEÇÃO BRASILEIRA NA COPA CAUSA DECEPÇÃO NA EUROPA

Até onde vai o Brasil nesta Copa do Mundo? O resultado de 2x1 entre o Brasil e a Coreia do Norte foi providencial para a humanidade. Se fosse outro resultado como seria a aceitação na Coreia do Norte? Convém lembrar que o jogo só foi mostrado lá na Coreia do Norte dependendo do resultado em videotape. Assim o futebol tem este estímulo para a convivência pacífica entre os povos fazendo jus à palavra do idioma da África do Sul, sede da Copa de Futebol 2010, que é "Ubunzu" (conviver em harmonia com as pessoas próximas), usada na abertura da Copa de Futebol 2010.
Nilton Avelino Boeri

CANÇÃO OFICIAL DA COPA SE INSPIRA EM RITMOS AFRICANOS

Independente da critica sobre Shakira cantar o hino da Copa, a escolha para mim não poderia ser melhor, pois ela representa o calor da voz humana assim como os africanos possuem energia ao cantar e falar e dançar, ela transmite alegria e força, pois o hino de uma Copa deve ser sempre assim. Mesmo que o mundo esteja com muito sofrimento, deve-se transmitir para as pessoas sempre essa energia e força de viver, enfim foi uma excelente escolha.
Anita Garibaldi de Almeida

MOSTRA EM MUNIQUE REVELA CASAMENTO SECRETO DA PRINCESA AMÉLIE

Sim, já conhecia a história da imperatriz Amélie. Mas deveria ser muito mais divulgada. Muitas pessoas têm uma leve noção. Essa exposição deveria ser enviada para o Brasil, para tornar conhecida aquela que foi a segunda imperatriz brasileira. Desconhecemos detalhes de sua personalidade.
Maria Chaves

Despertou-me muito interesse a história que agora aparece nesta exposição sobre Dona Amélia em Munique. Ela foi uma grande imperatriz que veio mudar a história do Brasil no período imperial. Ela conseguiu mudar a imagem de Dom Pedro 1º e arrumou o Palácio Imperial, dando outra orientação. A história narra que Dom Pedro 1º, ao receber a princesa prometida no porto do Rio de Janeiro, cujo casamento já tinha sido realizado por procuração, quase perdeu os sentidos.
Ele era viúvo e as suas pretensões matrimoniais estavam muito difíceis de se realizar, pois tinha má reputação, devido a sua vida desregrada. Entretanto, graças aos esforços de seu diplomata na França, do Visconde de Pedra Branca, D. Pedro 1º conseguiu o casamento com uma moça tão cheia de qualidades. Tomara que a verdadeira história de Dona Amélia seja mais bem conhecida e mude em nós a imagem desse período imperial brasileiro.
Odalberto Domingos Casonatto

HISTORIADOR DIZ QUE BRASIL É MAIS CONFORMISTA DO QUE OUTROS PAÍSES LATINO-AMERICANOS

Muito interessante a entrevista de João Furtado. Concordo plenamente quando ele diz que o povo brasileiro só é patriota em eventos esportivos. São incapazes de se manifestar diante, por exemplo, da sujeira que é nossa política. Já nem falo dos corruptos e desonestos, que proliferam no mundo, mas da total incapacidade de se indignar com os rumos que nossos políticos dão ao nosso país. Estamos agora nos aproximando das eleições onde vemos uma disparidade brutal entre os valores e competência dos dois principais candidatos. Vejo que nosso povo não se dá a oportunidade de parar e pensar: há uma diferença entre esses dois candidatos? Estou realmente decepcionado com nosso povo. Parabéns a João Furtado.
Osmar Antunes da Costa

O autor entrevistado tangenciou a desmistificação do movimento mineiro, contudo sua análise contemporânea sobre o movimento participativo da massa organizada promove uma injustiça histórica, ou pelo menos um anacronismo analítico, de pelo menos um quarto de século, a partir dos dias de hoje. A "fonte cívica", que nutre os projetos e as ações libertárias brasileiras, comparada com as outras nações do continente, tem muito mais identidade e causa com as condições geopolíticas, a extensão continental do país, a opulência dos recursos naturais, ausência de massa crítica "livre", isto é, a população majoritariamente era escrava, era indiferente aos destinos e interesses das elites.
Bom lembrar, que o Brasil ainda estava por ser "descoberto", o que acontece somente em 1808. Havia proibição de deslocamentos internos sem autorização. O que acontecia no norte não refletia no sul ou no sudeste. A consciência nacional inexistia. Os pleitos eram tão só, corporativos. Como a "proclamação" da República, onde militares disputavam os despojos da monarquia.
Durval Disko

João, acho que, num recorte contemporâneo e qualitativo, que é o que interessa, você está meio enganado. Disposição beligerante, ou meio "tribal" – como disse um amigo argentino sobre seus conterrâneos –, passional, etc., não é necessariamente indício de cidadania moderna. Fervor cívico, talvez. Dá em muito caudilhismo, "dramatismos", evitaísmos, cadáveres embalsamados, até guerra por futebol já vimos e não foi no Brasil. Por outro lado, as "lutas da regência", aqui, como foram populares, de massa e sangrentas, hein? e, na Bahia, a expulsão dos portugueses, e em Pernambuco, dos holandeses, etc. Acho que as coisas são um pouco mais complicadas e nuançadas, e sujeitas a diferentes resultados contemporâneos.
José Crisóstomo

O professor coloca muito bem a questão do comodismo brasileiro. Estamos assistindo há 500 anos o Brasil entregar suas riquezas a preço de banana para o exterior. O presidente Lula, foi, talvez, a primeira esperança nessa ruptura e, foi o melhor presidente do Brasil até hoje, mas está longe ainda ser aquele que promoverá a guinada da nação na direção correta, até porque, é um presidente que se gaba da sua baixa escolaridade e afirmou que ler é muito chato. Precisamos de uma reforma total no sistema educacional brasileiro, fora as reformas políticas, tributárias, previdenciárias, etc...
Satyaraj

Leia mais