1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Conversas sobre Síria são "construtivas e produtivas", diz Kerry

Secretário de Estado dos EUA afirma que encontros geraram ideias "que podem alterar a dinâmica" do conflito sírio. Rússia pressiona por solução diplomática que inclui chamar representantes pró-Assad às negociações.

Conversas a portas fechadas entre Estados Unidos e Rússia sobre o conflito sírio foram "construtivas e produtivas", disse o secretário de Estado dos EUA, John Kerry, em Viena, nesta sexta-feira (23/10). Ele, no entanto, não deu detalhes.

Kerry, que se encontrou mais cedo com os ministros das Relações Exteriores de Turquia e Arábia Saudita antes de conversar com o ministro do Exterior russo, Sergei Lavrov, afirmou que as reuniões geraram ideias que "possuem a possibilidade de alterar em definitivo a dinâmica" da crise na Síria.

Os representantes dos quatro países concordaram em continuar as negociações já na próxima semana. "Acordamos hoje realizar consultas preliminares com todas as partes e buscar nos reunir novamente o mais cedo possível, num encontro mais amplo, a fim de explorar se há uma base comum suficiente para avançar um processo político significativo", disse Kerry.

Todos os quatro países compartilham o mesmo desejo quando se trata do futuro da Síria: uma nação secular e unificada com eleições livres e um fim da guerra civil, agora em seu quinto ano e que já matou centenas de milhares de pessoas.

"Uma coisa está no caminho para que estas medidas sejam capazes de ser implementadas rapidamente, e é uma pessoa chamada Assad, Bashar al-Assad", havia dito Kerry, na quinta-feira, antes dos encontros em Viena.

Rússia pressiona por solução diplomática

O ministros do Exterior de Arábia Saudita, Adel al-Jubeir, e Turquia, Feridun Sinirlioglu, estão inclinados a concordar, mas Lavrov representa o maior defensor estrangeiro de Assad, Vladimir Putin. De fato, Moscou esperava poder convidar o governo iraniano pró-Assad às negociações, mas os sauditas se opuseram veemente.

"O objetivo é realizar extensas discussões entre representantes do governo sírio e 'todo o espectro' da oposição síria, tanto de dentro como de fora, com apoio de atores externos", afirmou Lavrov.

Putin recebeu Assad em Moscou, na terça-feira, no que foi a primeira viagem conhecida do líder sírio ao exterior desde 2011. Ambos discutiram a campanha militar conjunta contra o terrorismo e os inimigos do regime sírio.

O Kremlin defendeu a vinda surpresa de Assad, com a Casa Branca condenando o tratamento de visita de Estado para um homem "que usou armas químicas contra seu próprio povo". De acordo com Putin, Assad está disposto a trabalhar com os rebeldes sírios seculares que os EUA apoiam.

Rússia e Estados Unidos têm operado campanhas militares aéreas distintas na Síria, com Moscou apoiando Assad e Washington ajudando os rebeldes que tentam derrubar o regime.

PV/ap/rtr

Leia mais