1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

"Contador de Auschwitz" é condenado a quatro anos de prisão

Tribunal opta por pena mais severa do que a pedida pela promotoria para Oskar Gröning, de 94 anos. Ele é condenado por cumplicidade nos assassinatos de 300 mil pessoas no campo de concentração.

O colaborador do regime nazista Oskar Gröning, de 94 anos, foi condenado nesta quarta-feira (15/07) a quatro anos de prisão por cumplicidade em assassinatos ocorridos em 1944 no campo de concentração de Auschwitz. O veredicto foi anunciado uma semana antes do esperado. Este pode ter sido o último julgamento relacionado a Auschwitz.

O Tribunal Regional de Lüneburg, na Alemanha, optou por uma pena mais severa do que a pedida pela promotoria, de três anos e meio, dos quais 22 seriam retirados porque a condenação já teria sido possível há décadas. Muitos sobreviventes e familiares de vítimas consideraram a pena pedida pela promotoria leve demais.

Cabe agora aos promotores verificar se Gröning, de 94 anos, está em condições de cumprir a pena na prisão devido à sua saúde debilitada.

Gröning foi acusado de cumplicidade no assassinato de 300 mil pessoas entre maio e julho de 1944. Durante o julgamento, o acusado reconheceu o seu envolvimento e admitiu "cumplicidade moral" com o Holocausto. Ele rejeitou, porém, uma admissão de responsabilidade penal.

Ao longo do julgamento de quase três meses, que despertou grande atenção internacional, vários sobreviventes do Holocausto descreveram suas detenções e os assassinatos em massa cometidos no campo de concentração. Foram detalhadas, entre várias atrocidades, os experimentos médicos de Josef Mengele e os assassinatos de judeus.

Argumentação da defesa

A defesa havia pedido a absolvição do acusado, argumentando que Gröning não teria participado diretamente dos assassinatos. Também se concentrou no fato de que Gröning já havia sido investigado em 1978 e que, na época, a investigação foi arquivada. O atual julgamento é resultado de um precedente aberto pela condenação de John Demjanjuk em Munique, em 2011. Durante a Segunda Guerra Mundial, ele foi um dos guardas do campo de extermínio de Sobibor.

A defesa argumentou também que, devido à cooperação total de Gröning com a promotoria durante as investigações de 1978 e no atual julgamento, e diante do fato de que a Justiça alemã levou 37 anos para julgar esse caso, ele deveria ser absolvido.

Gröning alegou que pediu transferência de Auschwitz em três ocasiões diferentes, mas nenhuma evidência disso foi encontrada. Durante o julgamento, um historiador chamado para esclarecer a versão do acusado alegou que solicitações de transferência para o fronte costumavam ser sempre concedidas para oficiais fisicamente aptos como ele.

O "Contador de Auschwitz"

Durante dois anos, de setembro de 1942 a outubro de 1944, Gröning serviu no campo de extermínio à Waffen-SS, tropa de elite das Forças Armadas nazistas. Ele confessou ter reunido dinheiro de pessoas presas pelo regime e enviado para Berlim. Sua função era administrar dinheiro, joias e outros objetos de valor dos deportados – o que lhe valeu o apelido de "Contador de Auschwitz", dado pela mídia alemã.

Gröning também cuidava da bagagem dos prisioneiros, quando eles chegavam ao campo de concentração. "Nosso objetivo era evitar roubos", afirmou Gröning. "Não tínhamos nada a ver com a vigilância de prisioneiros", garantiu.

A promotoria o acusou de ocultar indícios de assassinato em massa ao ajudar a dar sumiço à bagagem dos prisioneiros. Também o acusou de, como contador, separar o dinheiro e objetos de valor das vítimas, encaminhando-os, mais tarde, para Berlim, mesmo sabendo que Auschwitz servia para o assassinato em massa de pessoas durante o Holocausto.

MP/dw/dpa/afp

Leia mais