Conservadores vencem no Reino Unido, mas não conseguem maioria no Parlamento | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 07.05.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Conservadores vencem no Reino Unido, mas não conseguem maioria no Parlamento

David Cameron se apressa e diz que Brown já teria perdido o mandato. Atual primeiro-ministro, no entanto, ainda tem direito de compor governo e já busca alianças.

default

David Cameron cumprimenta eleitores

Os resultados das eleições no Reino Unido mostram o que já se previa antes dos eleitores irem às urnas: foram as mais disputadas dos últimos tempos. Os conservadores conseguiram mais cadeiras que os trabalhistas, mas não obtiveram a maioria no Parlamento.

O partido de David Cameron ficou com 36% das 650 cadeiras, Gordon Brown, do Partido Trabalhista, logrou 29%, e os liberal-democratas, de Nick Clegg, 23%.

É a primeira vez, desde 1974, que nenhum partido assume a maioria. Mesmo assim, os conservadores conseguiram ficar na frente do partido de Gordon Brown, que governou nos últimos 13 anos.

A movimentação já começou

Cameron disse nesta sexta-feira (07/05) que tentará formar um governo com o apoio do partido que ficou na terceira colocação. "Eu quero fazer uma grande, aberta e compreensível oferta aos liberal-democratas. Eu quero que trabalhemos juntos no combate aos grandes e urgentes problemas do nosso país. Eu acho que temos uma base forte para um governo forte."

Nick Clegg, que defendia até então que os conservadores deveriam tentar formar um governo primeiramente, disse que era preciso tomar um "fôlego".

Segundo a constituição britânica, o atual primeiro-ministro Gordon Brown tem o direito de tentar formar um governo primeiro. Em frente à residência oficial, Brown disse que falará com os liberal-democratas caso não entrem em acordo com os conservadores. Mais cedo na sexta-feira, aliados do primeiro-ministro disseram que estarão preparados para se juntar aos liberal-democratas para se sustentarem à frente do governo.

Para David Cameron, a mensagem das urnas é: "O que está claro nessas eleições é que o país, nosso país, quer mudança. E esta mudança vai exigir nova liderança."

Confusão para votar

O número de eleitores que compareceram às urnas nesta quinta-feira no Reino Unido provocou confusão em muitos pontos de votação. Segundo informações, muitos não conseguiram deixar seu voto– já foi iniciada uma investigação a respeito.

Em muitos pontos do país, eleitores aguardaram horas na fila e não conseguiram votar até as 22h00 locais, quando as urnas foram fechadas. Houve tumulto e a polícia foi chamada para controlar tumultos.

Na capital, Londres, algumas urnas precisaram ser fechadas antes do previsto por falta de cédulas de votação. O canal estatal BBC criticou duramente a situação: "Este é, supostamente, um país de primeiro mundo. Nós somos uma das primeiras democracias e teríamos que saber como fazer essas coisas."

NP/afp/rts

Revisão: Roselaine Wandscheer

Leia mais