1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Conservador Reuven Rivlin é eleito presidente de Israel

Político de 74 anos sucederá o Prêmio Nobel da Paz Shimon Peres. Ele é conhecido por se opor à criação do Estado palestino e por ter relação tensa com seu correligionário e primeiro-ministro Benjamin Netanyahu.

O ex-presidente do Parlamento e deputado Reuven Rivlin, de 74 anos, foi eleito nesta terça-feira (10/06) presidente de Israel, para suceder a Shimon Peres, cujo mandato termina no final do próximo mês. Rivlin é membro da ala mais conservadora do partido de direita Likud, do premiê Benjamin Netanyahu, com quem tem uma relação tensa. Ele também é conhecido por se opor à criação de um Estado palestino.

Rivlin derrotou o centrista Meir Sheetrit por 63 votos a 53, em uma votação secreta na Knesset, o Parlamento israelense. Ele foi eleito em segundo turno, após nenhum dos cinco candidatos originais ter conseguido maioria absoluta numa primeira rodada.

Em Israel, o primeiro-ministro é a figura política mais forte, mas o presidente tem uma série de funções-chave – como autorizar o chefe de governo a formar o gabinete. Geralmente, o premiê é do partido com maior número de cadeiras no Parlamento, mas com a ascensão de uma série de legendas pequenas e médias, a influência do presidente na decisão pode aumentar.

USA Israel Ministerpräsident Benjamin Netanyahu spricht vor Aipac in Washington

Premiê Netanyahu: histórico de relações tensas com presidente eleito

Os outros quatro candidatos eram Meir Sheetrit, do partido centrista HaTnuah; Dalia Itzik, que em 2006 se tornou a primeira mulher a presidir a Knesset; e a juíza aposentada do Supremo Tribunal Dalia Dorner, além do ganhador do Nobel de Química Dan Shechtman.

Na primeira rodada de votação, Rivlin liderou, com 44 dos 117 votos válidos. Schitrit surpreendeu, conseguindo o segundo lugar, com 31 votos, forçando a realização de uma segunda rodada entre os dois mais votados, já que ninguém conseguira um mínimo de 61 votos entre os 120 deputados.

Guerra de acusações

A corrida para eleição do décimo presidente de Israel foi criticada como uma das mais sujas na história política israelense, marcada por uma guerra de acusações. Um sexto candidato, Benjamin Ben-Eliezer, do Partido Trabalhista, um dos favoritos à disputa, teve que renunciar à sua candidatura no sábado, em meio a acusações de corrupção. Ele negou ter cometido qualquer irregularidade e disse que foi "deliberadamente alvo" de inimigos, que segundo ele sabotaram sua candidatura.

Schimon Peres und Mahmud Abbas

Peres (com presidente palestino Abbas): engajamento em questões internacionais

Semanas atrás, outro presidenciável, Silvan Shalom, também do Likud, decidiu abrir mão da candidatura depois que as autoridades abriram contra ele um inquérito sobre crimes sexuais, suspendendo a investigação logo em seguida.

Rivlin tem como desafio substituir o Prêmio Nobel da Paz Shimon Peres, um dos políticos mais populares do país e último membro sobrevivente do grupo de fundadores de Israel. Peres vem exercendo a chefia de Estado durante os últimos sete anos, saindo do cargo no fim de julho, apenas uma semana antes de completar 91 anos.

Segundo sondagem da emissora de televisão Channel 2, quase dois terços do público gostariam que ele permanecesse no posto. Analistas afirmam que a saída de Peres pode levar a Presidência a mudar o foco de assuntos internacionais para questões mais internas.

Peres restaurou reputação do cargo

Até agora, todos os candidatos vinham apostando na carta da "unidade nacional", comprometendo-se a respeitar a natureza essencialmente apolítica do cargo, que foi tão elegantemente evitada por Peres.

O engajamento aberto de Peres na questão do conflito entre israelenses e palestinos muitas vezes o colocou em rota de colisão direta com Netanyahu. Ele também reclamou das relações muitas vezes tensas entre Israel e Washington e sobre a ameaça nuclear iraniana.

Para muitos, ele será lembrado por restaurar a reputação da Presidência de Israel, que foi gravemente manchada por seu antecessor, Moshe Katsav, condenado a prisão por acusações de estupro e outros crimes sexuais.

MD/dpa/afp/rtr

Leia mais