1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Conseqüências de Tchernobil perduram até hoje na Alemanha

Fortalecimento do Partido Verde, criação do Ministério do Meio Ambiente e disseminação do ceticismo em relação à energia nuclear entre a população: o acidente em Tchernobil deixou marcas profundas na Alemanha.

default

A usina de Tchernobil, na Ucrânia, vinte anos após a explosão do reator nuclear

A gravidade da notícia que se disseminou de Tchernobil para o Ocidente a partir de 26 de abril de 1986 demorou a ficar clara para os alemães – mas, quando ficou, foi com toda intensidade. O inimaginável havia acontecido, inimaginável até mesmo para os inúmeros movimentos ambientalistas que há anos alertavam para os perigos da energia nuclear.

A rejeição à energia nuclear foi decisiva para o crescimento do Partido Verde, que havia chegado pela primeira vez ao Parlamento em 1983. Muitos alemães já estavam céticos em relação às usinas nucleares, mas, após Tchernobil, a rejeição atingiu uma faixa mais ampla da população. Uma situação que se mantém até hoje.

"O acidente em Tchernobil ajudou a quebrar a espinha dorsal das usinas nucleares na Alemanha", afirma Jörn Ehlers, do grupo ambientalista WWF. Ele lembra que, nos anos 70, havia planos para a instalação de mais de cem reatores nucleares no país. "No final, 20 foram postos em funcionamento e, pelo que eu sei, apenas um após Tchernobil. Hoje, sentimos o lento abandono da energia nuclear, e Tchernobil foi o pontapé inicial disso."

Contaminação

Tagesschau vom 29. April 1986 Reaktorunfall in Tschernobyl

Jornal televisivo alemão de 29 de abirl de 1986 noticia o acidente

Em 1986, a catástrofe espalhou o pânico entre a população, principalmente depois que a nuvem de pó radioativo atingiu também a Alemanha. Os telefones das autoridades responsáveis ficaram sobrecarregados de ligações de pessoas querendo informações. Agricultores, cujos produtos ninguém mais queria consumir, obtiveram auxílio imediato do governo.

Até hoje, florestas e tudo o que nelas vive pode estar contaminado por radioatividade em regiões da Baviera e de Baden-Württemberg, afirma Edmund Lengfelder, biólogo da Universidade Ludwig Maximilian. Os mais atingidos são os porcos selvagens, que se alimentam de carvalhos, frutos da faia e cogumelos contaminados com Césio 137, explica o professor.

Política


Em 1986, o então chanceler federal Helmut Kohl tomou uma decisão que surpreendeu a todos: já em junho, o governo criou o Ministério do Meio Ambiente. Até então, era o Ministério do Interior que se ocupava das questões ambientais. Mas a União Democrática Cristã (CDU) e o Partido Liberal (FDP) não queriam abrir mão da energia nuclear.

"O SPD se decidiu pelo abandono da energia nuclear no prazo de dez anos. Os sindicatos seguiram rapidamente o mesmo caminho", lembra Lutz Mez, especialista em meio ambiente da Universidade Livre de Berlim. "Também dentro da CDU havia algumas vozes a favor do abandono, mas a política da época acabou vacilando devido à posição do governo. Isso fez com que a busca por um consenso fracassasse três vezes durante a era Köhl."

Consenso

CASTOR DEMONSTRANTEN DEU ATOM GORLEBEN PROTEST p178

Manifestações ocorrem até hoje perto de Gorleben

A busca por um consenso entre os setores econômicos e o governo sobre o caminho a seguir ocorreu paralelamente às fortes manifestações populares em Gorleben. Nas imediações da pequena cidade da Baixa Saxônia, o governo alemão fazia os primeiros testes para a instalação de um depósito de lixo atômico.

O consenso a respeito da energia nuclear só foi alcançado em 2001, durante o governo da coalizão entre SPD e Partido Verde. Até 2020, todas as cerca de 20 usinas nucleares em funcionamento na Alemanha deverão ser desativadas.

Retorno


Mas, com o governo da coalizão CDU/CSU e SPD, os defensores da energia nuclear sonham com um renascimento. Christian Wössner, da organização Deutsche Atomforum, defensora dos interesses das usinas, argumenta que elas não liberam gases que produzem o efeito estufa e podem ajudar a evitar o aquecimento global. "Se a política optar por outro caminho, ou seja, cancelar o programa de fechamento das usinas, nós estamos prontos para o diálogo."

Nesse caso, o que estaria em questão seria a manutenção da atividade nas atuais usinas. A construção de novas unidades está fora de cogitação depois de Tchernobil.

Leia mais