1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Conselho de Segurança da ONU autoriza "todas as medidas" contra EI

Documento prevê mais sanções a indivíduos que viajam à Síria para se juntar ao "Estado Islâmico", mas não autoriza o uso de força militar. Resolução quer ampliar penalidades contra pessoas e entidades vinculadas ao EI.

O Conselho de Segurança da ONU aprovou nesta sexta-feira (20/11) uma resolução que autoriza o uso de "todas as medidas necessárias" para combater o "Estado Islâmico" (EI) e a ameaça "sem precedentes" representada pelo grupo extremista.

A França, que pediu a adoção do documento após os atentados em Paris que provocaram 130 mortes e mais de 300 feridos, afirmou que a aprovação por unanimidade pelo principal órgão de decisão das Nações Unidas demonstra a vontade dos países da organização em combater o terrorismo.

"Contra o EI temos a humanidade em comum. Nós, os povos das Nações Unidas, temos o dever de defendê-la", declarou o embaixador francês, François Delattre.

A resolução propõe "aumentar e coordenar" a luta antiterrorista, ampliar as sanções contra indivíduos e entidades vinculadas com o EI e pede ainda mais esforços para deter o fluxo de combatentes estrangeiros que viajam ao Oriente Médio para se juntar às fileiras do grupo.

Apesar do tom duro e da inclusão o pedido de usar "todas as medidas necessárias" contra os terroristas, a resolução não invocou o Capítulo 7º da Carta das Nações Unidas, que autoriza o uso de forca militar.

O documento é mais um instrumento político que pretende passar uma mensagem de condenação entre a comunidade internacional pelas ações do EI. Além dos ataques em Paris, a resolução condena "nos termos mais duros" os "ataques terroristas realizados pelo EI" em junho na cidade tunisiana de Sousse e em outubro em Ancara, além da derrubada de um avião russo no Egito.

De acordo com o Conselho de Segurança, o grupo jihadista "tem a capacidade e a intenção de realizar mais ataques" e representa uma "ameaça global e sem precedentes à paz e segurança internacionais".

A decisão marcou a 14ª vez que o conselho aprovou uma resolução relacionada ao terrorismo desde 1999.

JPS/afp/rts

Leia mais