Conselho de Segurança da ONU aprova declaração exigindo fim da violência na Síria | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 21.03.2012
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Conselho de Segurança da ONU aprova declaração exigindo fim da violência na Síria

Membros do Conselho de Segurança, incluindo Rússia e China, emitiram documento apoiando plano de paz de Kofi Annan para acabar com conflito sírio. Sem peso de resolução, a declaração serve de alerta ao regime Assad.

Após sete meses de silêncio e milhares de mortes na Síria, o Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) aprovou uma declaração sobre a crise no país nesta quarta-feira (21/03). Os 15 membros do Conselho, incluindo Rússia e China, definiram a aplicação de medidas adicionais contra a Síria, caso a trégua e o diálogo entre regime e oposição determinados por Kofi Annan não sejam cumpridos.

A chamada "declaração presidencial" é o tipo mais fraco de manifestação do Conselho de Segurança – mais poderoso grêmio da ONU. Apesar de o documento não ter o peso de uma resolução e não ser juridicamente vinculativo, o acordo significa um claro obstáculo diplomático para o regime Assad.

"Kofi Annan queria um forte sinal de unidade e de apoio, e nós lhe fornecemos isso hoje", disse o atual presidente do Conselho de Segurança, o britânico Mark Lyall Grant. Uma declaração semelhante havia sido emitida em agosto pelo Conselho de Segurança, entretanto sem ter surtido efeito.

De acordo com a declaração, "o Conselho de Segurança está seriamente preocupado com a grave situação [na Síria], que se transformou em uma séria crise de direitos humanos e em uma emergência humanitária".

O Conselho também declarou "apoio total" ao enviado especial da ONU e da Liga Árabe, Kofi Annan, para "acabar rapidamente com toda a violência e as violações aos direitos humanos" no país. Além disso, reformas políticas deveriam ser iniciadas, com o objetivo de democratizar a Síria. Governo e oposição foram convocados a cooperar e apoiar Annan.

Papel-chave da Rússia

Außenministertreffen in Berlin Westerwelle Lawrow Sikorski

Lavrov e Westerwelle discutiram questão Síria em Berlim

China e Rússia, com poder de veto no Conselho, barraram três vezes uma resolução condenando o regime sírio – duas delas com veto duplo. Na posição de um dos últimos aliados da Síria, Moscou argumentou estar impedindo ações militares contra o país e resguardando a paz. Ataques militares, porém, nunca haviam sido mencionados. Nenhum dos projetos de resolução continha qualquer tipo de sanção.

A Síria é um importante comprador de armas da Rússia e também garante ao país acesso ao Mar Mediterrâneo através de uma base naval. Para o governo russo, a exigência ocidental sobre o recuo do regime Assad significaria uma intromissão inaceitável nos assuntos internos de um Estado soberano. Finalmente, porém, a Rússia reconheceu as críticas às ações de Assad contra os protestos no país.

Pontos de vista

Após um encontro nesta quarta-feira com os colegas alemão Guido Westerwelle e polonês Radoslav Sikorski, em Berlim, o ministro do Exterior da Rússia, Serguei Lavrov, declarou que seria decisivo que organizações humanitárias e jornalistas tivessem acesso livre às pessoas necessitadas. Uma resolução do tipo já havia sido sugeria pela Rússia ao Ocidente em 2011 e poderia ter sido aprovada há muito tempo.

Westerwelle ressaltou que se mantêm as diferenças de posição entre a Rússia e os demais membros do Conselho de Segurança no que diz respeito à avaliação da situação e das causas da violência na Síria. "Mas o importante é que estamos fazendo o possível para ajudar as pessoas", ponderou.

Após a declaração, aprovada nesta quarta-feira, tanto o embaixador alemão da ONU, Peter Wittig, quanto o russo, Witali Tschurkin, mostraram-se otimistas. "Esta é uma volta à unidade do Conselho após a triste história dos dois vetos duplos", disse Wittig. "O Conselho finalmente retomou uma política pragmática. Essa poderia ser uma saída para a crise", considerou Tschurkin.

LPF/rtr/dpa
Revisão: Francis França

Leia mais