1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Conselho de Segurança condena teste nuclear da Coreia do Norte

Órgão das Nações Unidas ameaça com a adoção de medidas "apropriadas à gravidade da situação". Líderes de diversas nações condenam terceiro teste nuclear norte-coreano.

O Conselho de Segurança das Nações Unidas condenou "firmemente" o terceiro teste nuclear feito pela Coreia do Norte nesta terça-feira (12/02) e disse que vai começara a trabalhar imediatamente na definição de medidas adequadas à gravidade do fato.

Num comunicado divulgado pelo ministro do Exterior da Coreia do Sul, Kim Sung-hwan, cujo país assumiu a presidência do Conselho de Segurança este mês, o órgão das Nações Unidas considerou o teste nuclear realizado pelo regime norte-coreano como uma clara ameaça à paz e à segurança internacionais.

O Conselho de Segurança da ONU indicou, na mesma declaração, que o teste nuclear norte-coreano é uma "grave violação" das resoluções das Nações Unidas. "Os membros do Conselho de Segurança vão começar a trabalhar imediatamente nas medidas apropriadas no âmbito de uma resolução", diz a declaração.

O texto, adotado após consultas de emergência realizadas em Nova York, não precisou quais eventuais medidas poderiam vir a ser adotadas pelo Conselho de Segurança. O regime do ditador Kim Jong-un, suspeito de desenvolver um programa nuclear com fins militares, é alvo de diversas sanções internacionais por parte das Nações Unidas, dos Estados Unidos e da União Europeia, impostas após os testes de 2006 e 2009.

A embaixadora dos Estados Unidos na ONU, Susan Rice, afirmou entretanto que Washington poderá ter como objetivo reforçar o regime de sanções contra Pyongyang nos "mais diversos domínios", incluindo o setor financeiro. Rice disse que o teste nuclear é uma ação provocativa por parte dos norte-coreanos, e que o regime de Pyongyang vai encarar um isolamento e uma pressão cada vez mais fortes.

Condenação internacional

Esse foi o terceiro teste nuclear realizado pela Coreia do Norte à revelia da oposição internacional

Esse foi o terceiro teste nuclear realizado pela Coreia do Norte à revelia da oposição internacional

Líderes de diversas nações ao redor do mundo foram unânimes em condenar a Coreia do Norte pela realização de mais um teste nuclear, contrariando os alertas internacionais.

O presidente dos EUA, Barack Obama, clamou por ações "rápidas e eficientes" contra o regime em Pyongyang, e qualificou o teste nuclear como um ato de "alta provocação" que traz instabilidade à região e viola resoluções do Conselho de Segurança da ONU. Ele ressaltou que os EUA farão "o que for preciso" para defender os países aliados.

A China, considerada o aliado mais próximo da Coreia do Norte, expressou, por meio de uma declaração de seu Ministério do Exterior, estar em "forte oposição" à iniciativa dos norte-coreanos, e insistiu que o país "honre seu compromisso com o desarmamento nuclear".

Segundo um diplomata da ONU que não quis ser identificado, o governo de Pequim havia realizado esforços especiais para bloquear a iniciativa de Pyongyang. "Os chineses deram fortes alertas para que a Coreia do Norte não tomasse essa iniciativa, que já era aguardada por Pequim", disse o diplomata, adicionando que a China, a Rússia e os EUA deverão chegar rapidamente a um acordo quanto a uma resposta enérgica contra Pyongyang.

O governo brasileiro também expressou sua preocupação com os testes nucleares norte-coreanos. A nota oficial divulgada pelo Itamaraty afirma que o Brasil conclama a República Popular Democrática da Coreia do Norte a cumprir plenamente as resoluções do Conselho de Segurança da ONU e pede que o país contribua para retomada das negociações de paz na península da Coreia. 

O presidente da França, François Hollande, também condenou "com veemência" os norte-coreanos e afirmou que seu país irá apoiar quaisquer ações que o Conselho de Segurança venha a adotar. Já a Rússia ordenou que Pyongyang interrompa o que considerou "ações ilegais".

Ban Ki-moon convocou reunião de emergência do Conselho de Segurança

Ban Ki-moon convocou reunião de emergência do Conselho de Segurança

Na região da Ásia e do Pacífico a repercussão também foi significativa. O governo da Índia qualificou o teste como “assunto de grande preocupação”, enquanto a Austrália e as Filipinas também condenaram a atitude norte-coreana.

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, afirmou estar “extremamente preocupado com o impacto negativo dessa iniciativa desestabilizadora” e convocou a reunião de emergência do Conselho de Segurança. Ele considerou a realização do teste como uma violação clara e grave das resoluções do Conselho de Segurança e exigiu que a Coreia do Norte reverta o seu rumo.

O primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, tratou o teste como uma grave ameaça ao seu país, que não dever ser tolerada, enquanto a Grã-Bretanha também clamou por uma "resposta enérgica". O governo da Alemanha declarou ser favorável à adoção de novas sanções a Pyongyang.

A magnitude da explosão atômica na Coreia do Norte nesta terça-feira teve praticamente o dobro da intensidade do teste nuclear de 2009, segundo a análise da CTBTO (Organização do Tratado de Proibição Total de Testes Nucleares).

RC/lusa/afp/rtr
Revisão: Alexandre Schossler

Leia mais