Conselho de Segurança aprova resolução sobre proteção de crianças | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 13.07.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Conselho de Segurança aprova resolução sobre proteção de crianças

Proposta apresentada pela Alemanha condena explicitamente ataques a escolas e hospitais e foi aprovada por unanimidade pelos 15 países-membros.

default

Acampamento em Darfur, região de conflito no Sudão

O Conselho de Segurança das Nações Unidas vai passar a dispor de uma "lista da vergonha" de responsáveis por ataques a escolas e hospitais, abrindo a porta à aplicação de sanções para combater a violência contra crianças, segundo resolução aprovada nesta terça-feira (12/07).

De acordo com o Unicef, ao menos 31 países da África, da Ásia, da Europa, da América Latina e do Médio Oriente registraram ataques recentes a estabelecimentos de ensino ou ameaças, quer por forças governamentais, quer por grupos armados.

Após restrições de alguns países, que viam a iniciativa como intromissão em assuntos internos, a resolução acabou sendo aprovada por unanimidade pelo 15 membros do Conselho.

Para o ministro alemão do Exterior, Guido Westerwelle, a medida é "outro passo importante na caminhada para acabar com a violência contra crianças". A Alemanha preside o órgão este mês e apresentou a proposta de resolução.

O secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, que participou da reunião, afirmou que o Conselho de Segurança "deu um passo a frente" ao condenar explicitamente ataques a escolas e hospitais.

Entre outras coisas, a resolução inclui os responsáveis por tais atos numa listagem que irá constar no relatório anual sobre crianças em conflitos armados, elaborado pelo Secretariado da ONU, adiantou o ministro alemão.

Esta é a oitava das resoluções sobre crianças em conflitos armados aprovadas pelo Conselho de Segurança desde 1998, que envolvem em particular o recrutamento e uso de crianças-soldado, morte e tortura, violações e outros tipos de violência sexual.

AS/lusa/dpa
Revisão: Nádia Pontes

Leia mais