1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Conselho de Segurança aprova resolução de paz para Síria

Em rara unanimidade, órgão máximo da ONU endossa roteiro para acabar com conflito sírio e esboça plano para cessar-fogo. Texto, no entanto, não faz menção ao papel futuro de Assad.

O Conselho de Segurança das Nações Unidas aprovou nesta sexta-feira (18/12), por unanimidade, uma resolução endossando um roteiro para um processo de paz na Síria. A decisão é uma rara demonstração de unidade entre as grandes potências sobre um conflito que já causou a morte de mais de 250 mil pessoas.

O secretário de Estados dos EUA, John Kerry, afirmou que a resolução envia "uma mensagem clara a todos os envolvidos de que chegou o momento de parar a matança na Síria". Os Estados Unidos, a Rússia e os outros três membros permanentes do Conselho de Segurança – França, Reino Unido e China – procuraram o endosso da ONU pelos esforços diplomáticos para destacar a unidade internacional sobre o caminho a ser seguido na Síria.

A resolução, no entanto, não faz menção nenhuma à questão mais controversa – o papel futuro do presidente sírio, Bashar al-Assad. "Obviamente, diferenças acentuadas permanecem", disse Kerry, em alusão ao destino de Assad. O texto reconhece que o processo de paz não acabará com o conflito porque ele precisaria que "grupos terroristas" operando no país, incluindo o "Estado Islâmico" (EI) e a Frente al-Nusra, participem de um cessar-fogo.

A resolução afirma que a "única solução duradoura para a atual crise na Síria é por meio de um processo político inclusivo e liderado pela Síria que atenda às aspirações legítimas do povo sírio". E o secretário de Estado americano acrescentou: "Se é para por um fim à guerra, é imperativo que o povo sírio concorde sobre uma alternativa em termos de governo."

Ministros das Relações Exteriores de 17 países se reuniram por mais de cinco horas, em Nova York, para trabalhar e superar divergências no texto. A resolução se apoia no

plano esboçado em Viena

no mês passado que conduziria ao estabelecimento de um governo de transição não sectário na Síria no prazo de seis meses e novas eleições dentro de 18 meses.

O texto encarrega a ONU da criação e implementação de um cessar-fogo nacional. Ele também pede que o secretário-geral do órgão, Ban Ki-moon, apresente opções para um mecanismo de monitoramento de um eventual cessar-fogo dentro de um mês.

Assim como em resoluções anteriores voltadas à situação humanitária na Síria, o conselho também exigiu "que todas as partes imediatamente cessem todos os ataques contra civis e alvos civis".

Obama: "Assad perdeu legitimidade"

Em Washington, o presidente dos EUA, Barack Obama, disse que o presidente sírio perdeu em legitimidade aos olhos da maioria em seu país e precisa deixar o poder para abrir o caminho para um fim ao "derramamento de sangue" na Síria.

"Acho que Assad terá de deixar o posto a fim de parar o derramamento de sangue no país e para que todas as partes envolvidas sejam capazes de avançar de uma forma não-sectária", disse Obama, em coletiva de imprensa na Casa Branca. "Ele perdeu legitimidade aos olhos da grande maioria do país."

PV/rtr/ap/afp

Leia mais