Conselho da Europa critica prática de castração voluntária na Alemanha | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 23.02.2012
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Conselho da Europa critica prática de castração voluntária na Alemanha

Criminosos sexuais alemães podem optar por castração cirúrgica para conter seus impulsos excessivos. Segundo o Comitê Europeu para a Prevenção da Tortura, a cada ano, a prática ocorre até cinco vezes no país.

O Comitê para a Prevenção da Tortura (CPT) do Conselho da Europa condenou a intervenção cirúrgica em casos de crimes sexuais na Alemanha. Um relatório sobre as prisões alemãs, divulgado nesta quarta-feira (22/02) em Estrasburgo, exige a abolição da castração voluntária de criminosos sexuais no país.

Segundo o documento, ações desse tipo são “mutiladoras, irreversíveis e medicamente não necessárias". A notícia agrada defensores de direitos humanos na Alemanha.

Sem garantia de cura

Straßburg Europarat Plenarsaal

Comitê para a Prevenção da Tortura (CPT) do Conselho da Europa considera método mutilador e irreversível

"Trata-se de um método muito antiquado", diz a austríaca Julia Kozma, membro do comitê antitortura. "A maioria dos países europeus aboliu tal prática já no anos 1960, também com base em evidências científicas de que a castração cirúrgica não garante cura completa ou contenção do instinto sexual."

Primeiro, o CPT havia colocado a República Tcheca em foco, onde a prática comum da castração voluntária é fortemente criticada. "O governo tcheco chamou-nos a atenção de que na Alemanha também ainda existia a possibilidade de se submeter a uma castração cirúrgica. Para sermos objetivos e tratarmos todos os países de maneira igual, analisamos a prática na Alemanha", explica Kozma.

Ao inspecionar prisões alemãs em 2010, a delegação do CPT deparou-se com dois casos de castração voluntária. De acordo com o Comitê, a cada ano, ocorrem até cinco castrações cirúrgicas na Alemanha.

O país é um dos poucos na Europa em que tal método é aplicado no tratamento de criminosos sexuais. Os requisitos legais para a castração voluntária e outros tratamentos estão previstos em uma lei de 1969.

Idade mínima: 25 anos

Segundo a lei alemã, uma pessoa só pode decidir pela castração cirúrgica se ela for prescrita por um médico. As condições são: idade mínima de 25 anos e que a intervenção não provoque danos físicos ou mentais.

De acordo com uma declaração do governo federal alemão, a castração voluntária não é punição para crimes sexuais. "Ela possibilita a cura ou, pelo menos, o alívio de doenças graves, transtornos mentais ou sintomas associados a um desejo sexual excessivo."

Mas, como na opinião do CPT isso não garante a cura, o Comitê exige métodos de tratamento alternativos. "O problema está principalmente na cabeça e não nos órgãos sexuais da pessoa que sofre desses impulsos", diz Kozma. "Por isso, sugerimos um tratamento psiquiátrico e psicológico, que talvez deva ser acompanhado por tratamento medicamentoso."

Poucas chances para regulação europeia

Dr. Julia Kozma

Kozma: "O problema está na cabeça e não nos órgãos sexuais"

Na Polônia, por exemplo, praticam-se tratamentos alternativos com produtos químicos. Desde 2009, os tribunais são obrigados a indicar a castração química para casos de pedofilia.

Para Kozma, não há grandes chances de regular essa questão – altamente emocional – em toda a União Europeia (UE). "Mas há certas normas básicas de direitos humanos que precisam ser seguidas. A Alemanha, assim como a Polônia, a República Tcheca e outros países do Conselho da Europa comprometeram-se a não tratar ninguém de maneira desumana ou degradante."

Em resposta ao relatório divulgado pelo CPT, o governo federal alemão disse que a castração cirúrgica voluntária é usada raramente. "Estamos em constante comunicação com o governo alemão e esperamos convencê-lo de nosso argumentos em breve", declarou Kozma.

Apesar de não haver nenhuma mudança na lei em vista, muitos críticos alemães sentem-se fortalecidos com o relatório do CPT. "O comitê faz recomendações importantes para uma maior proteção contra tortura e maus-tratos na Alemanha, as quais devem ser implementadas com rapidez", afirma Beate Rudolf, diretora do Instituto Alemão de Direitos Humanos.

Leia mais