1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Consciência russa é premiada na Alemanha

Organização "Memorial" recebeu o Prêmio Lev-Kopelev, na Alemanha, por seu trabalho para esclarecer a ditadura stalinista e defesa dos direitos humanos na Rússia de Vladimir Putin.

default

Presidente alemão, Johannes Rau: vozes críticas na Rússia baixam ou silenciam totalmente.

Por sua luta contra violações dos direitos humanos, a organização russa "Memorial" recebeu o Prêmio Lev-Kopelev pela paz e os direitos fundamentais, em Colônia, neste domingo (7). O Fórum Lev-Kopelev homenageou a organização, fundada em 1988, como "engajamento exemplar" no esclarecimento da ditadura stalinista, cujo número de vítimas é estimado em mais de 30 milhões.

Meio século após a morte do ditador soviético Joseph Stalin, "Memorial" luta pela reabilitação das vítimas da repressão e contra o esquecimento na Rússia. A organização se ocupa também com o presente, porque a situação dos direitos humanos permanece crítica em seu país, no terceiro ano do ex-chefe do serviço secreto Vladimir Putin na Presidência. Os ativistas de "Memorial condenam principalmente a ação brutal das Forças Armadas russas contra a população civil na Chechênia, bem como o cotidiano de violência contra recrutas russos.

O presidente da Alemanha, Johannes Rau, presente à solenidade de entrega do prêmio, chamou a "Memorial" de um dos acontecimentos democráticos mais importantes da Rússia. O prêmio sem dotação financeira lembra a vida e obra do dissidente russo Lev Kopelev, falecido em Colônia, em 1997.

Em seu discurso, o presidente alemão também mostrou-se preocupado com a situação da imprensa na Rússia. Ele disse que vozes críticas são obrigadas a baixar ou silenciar totalmente" e que a observação dos direitos humanos não é uma obviedade.

O presidente do Fórum Lev-Kopelev e diretor-geral da emissora alemã de rádio e TV de direito público (WDR), Fritz Pleitgen, chamou a "Memorial" de "consciência da Rússia". Ele destacou que "os mais valorosos e decentes da Rússia dos últimos tempos" fazem parte da organização ativista dos direitos humanos.