1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Confrontos em Kiev deixam policial morto e mais de cem feridos

Choque entre manifestantes e agentes da Guarda Nacional ucraniana ocorreu durante votação sobre maior autonomia a regiões separatistas. Policial foi vítima de granada lançada por membro de partido ultranacionalista.

Um policial morreu e mais de cem pessoas ficaram feridas depois da explosão de uma granada em frente ao Parlamento ucraniano, em Kiev, nesta segunda-feira (31/08). De acordo com a Guarda Nacional, o artefato foi lançado por um manifestante. O suspeito e outros 30 participantes do protesto foram presos.

O confronto começou durante a votação de um projeto de reformas constitucionais que concede maior autonomia a regiões do leste do país, em grande parte controladas por separatistas pró-Rússia.

"Foi uma ação anti-Ucrânia", afirmou o presidente Petro Poroshenko em pronunciamento na televisão. "Todos os organizadores devem ser responsabilizados sem exceção."

Segundo o ministro ucraniano do Interior, Arsen Avakov, o manifestante que lançou a granada contra a barreira de policiais é integrante do partido ultranacionalista Svoboda. Ele serviu como voluntário num batalhão pró-Ucrânia, no leste do país.

O ministro informou que cerca de 120 pessoas foram hospitalizadas, a maioria policiais. Entre os feridos, também estão jornalistas ucranianos e dois repórteres franceses.

Descentralização

A controversa mudança constitucional proposta por Poroshenko garante maior autonomia às regiões de Donetsk and Luhansk. A concessão do estatuto especial, aprovada por 265 dos 450 parlamentares, tem como objetivo enfraquecer o movimento separatista pró-russo.

As medidas pré-aprovadas atendem a exigências do Ocidente e são um elemento-chave do acordo de Minsk, assinado em fevereiro por Kiev e separatistas. O ducumento estabeleceu um cessar-fogo na região.

Alguns aliados da coalizão governista se posicionaram contra a mudança. Para a aprovação, são necessários 300 votos favoráveis na última votação da matéria, prevista para o fim deste ano.

Desde março do ano passado, quando se acirraram os conflitos entre o governo e os separatistas no leste do país, quase 7 mil pessoas foram mortas.

KG/rtr/afp/dpa

Leia mais