Conflitos no Oriente Médio em debate em Berlim | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 22.10.2015
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Conflitos no Oriente Médio em debate em Berlim

Representantes de Alemanha, Estados Unidos e União Europeia discutem com Netanyahu crescente onda de violência em Jerusalém e Cisjordânia. Kerry se mostra otimista com propostas que possam aliviar as tensões na região.

default

John Kerry (esq.) com Steinmeier: insinuação feita por Netanyahu sobre Holocausto não foi mencionada

Em Berlim, diplomatas de Alemanha, Estados Unidos e União Europeia (UE) se encontraram com o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, para discutir como acabar com a nova onda de violência em Jerusalém e na Cisjordânia.

Depois de algumas reuniões com o premiê israelense, o secretário de Estados dos EUA, John Kerry, e a chefe da política externa da UE, Federica Mogherini, o ministro das Relações Exteriores da Alemanha, Fank-Walter Steinmeier, afirmou que tanto ele como Kerry pediram que israelenses e palestinos façam todo o possível para acalmar a situação em Jerusalém.

A onda de violência em Jerusalém nas últimas semanas foi provocada por o que os palestinos classificaram de ingerência no local sagrado de Al-Aqsa, chamado de Monte do Templo por judeus. Al-Aqsa é a terceira mesquita mais importante no mundo muçulmano, depois das de Meca e Medina, ambas na Arábia Saudita.

Nove israelenses foram mortos por palestinos com facadas, tiros e ataques com veículos desde o início de outubro. Quarenta e nove palestinos, incluindo 25 agressores, entre eles crianças, morreram em ataques e durante protestos anti-Israel.

Steinmeier disse que "deve ser do interesse de Israel, também no interesse de segurança de Israel, manter um relacionamento com a Jordânia que não mine o rei jordaniano ou sua liderança política". Mas o ministro admitiu ser irrealista esperar que Netanyahu anuncie uma mudança de política enquanto estiver na Europa.

A Jordânia é um dos poucos países que já fizeram um tratado de paz com Israel. O acordo foi assinado em 1994. O rei Abdullah 2º é considerado um mediador, mas está sob pressão de outros Estados árabes para tomar uma linha mais dura com o governo israelense. O santuário na Cidade Antiga de Jerusalém está sob proteção da Jordânia.

Kerry disse que é importante mudar o tom do discurso público entre Israel e os palestinos, além de esclarecer o status do Monte do Templo. Ele expressou uma "medida cautelosa de otimismo" após quatro horas de conversas com Netanyahu sobre propostas que poderiam ajudar a aliviar as tensões na região.

"Pode ser que haja algumas coisas [...] e nos próximos dias colocaremos na mesa as que teriam um impacto ", disse Kerry. "Não quero errar na afirmação, mas estou cautelosamente animado." O secretário de Estado americano deve se reunir em breve com o presidente da Autoridade Nacional Palestina, Mahmoud Abbas, e o rei jordaniano em Amã, onde pretende mencionar estas propostas.

Kerry não mencionou a insinuação feita por Netanyahu nesta semana de que Haj Amin al-Husseini, o mufti de Jerusalém nos anos 1940, persuadiu Adolf Hitler a exterminar os judeus. Os comentários do premiê atraíram críticas generalizadas de políticos da oposição israelense e de especialistas no Holocausto, que o acusaram de distorcer fatos históricos.

Netanyahu atribui a palestinos violência em Jerusalém

Já Netanyahu manteve o tom usado após encontro com a chanceler federal alemã, Angela Merkle, na quarta-feira, e atribuiu a Abbas e à Autoridade Nacional Palestina a responsabilidade pela violência em Jerusalém.

"Acredito que é a hora de a comunidade internacional dizer claramente ao presidente Abbas que pare de espalhar mentiras sobre Israel", afirmou. "Mentiras sobre Israel querer mudar o status quo no Monte do Templo, mentiras de que Israel quer derrubar a mesquita de Al-Aqsa, mentiras de que Israel está executando palestinos. Tudo isso é falso."

Também nesta quinta-feira, e como prévia do encontro de mediadores de paz do Oriente Médio que será realizado na sexta-feira, em Viena, Steinmeier deu uma coletiva de imprensa em conjunto com a chefe da política externa da UE. "Posso anunciar aqui que amanhã, em Viena, teremos uma reunião do 'Quarteto'", disse Mogherini.

O 'Quarteto', composto por União Europeia, Rússia, Estados Unidos e um enviado especial da ONU, discutirão assuntos ligados aos conflitos em Síria e Iraque, e deve reiterar que israelenses e palestinos suavizem a retórica e acalmem a situação na região.

PV/afp/dpa/rtr/ap

Leia mais