1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

"Conflitos atuais transcendem fronteiras"

Em entrevista, Wolfgang Ischinger, presidente da Conferência de Segurança de Munique, fala sobre desafios internacionais, como a guerra na Síria e o EI. A Europa precisa de uma política de defesa comum e credível, diz.

Em entrevista à Deutsche Welle, o ex-diplomata alemão Wolfgang Ischinger, presidente da Conferência de Segurança de Munique, fala sobre os principais problemas a serem debatidos no encontro na capital da Baviera, no sul da Alemanha, entre esta sexta-feira (12/02) e domingo.

Ischinger destaca a ausência de fronteiras em conflitos atuais como um dos principais temas da conferência. Na opinião dele, a Europa tem que se mostrar mais ativa diplomaticamente ao lidar com questões como a guerra na Síria e crise de refugiados. Além disso, seria preciso uma política de segurança e defesa "comum e credível" para combater o terrorismo do "Estado Islâmico" (EI).

Deutsche Welle: A Conferência de Segurança de Munique está sendo realizada em tempos turbulentos. Qual é, na opinião do senhor, o assunto mais importante sobre o qual os participantes devem falar na capital da Baviera?

Wolfgang Ischinger: A ausência de fronteiras em conflitos é o tema central. A guerra na Síria, que se tornou um conflito regional, a crise dos refugiados, ataques cibernéticos, terrorismo jihadista – todos esses desafios transcendem as fronteiras. E nós ainda não conseguimos resolvê-los juntos e de forma eficaz. Alguns Estados parecem procurar soluções nacionais, mas elas não existem.

O secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, afirmou recentemente ser a favor da retomada do Conselho Otan-Rússia. O senhor apoiou a proposta. A Rússia ainda não deu uma resposta. O senhor acha que Moscou vai concordar, embora a Alemanha queira quase duplicar seus gastos de defesa e os EUA também queiram aumentar sensivelmente seus gastos para defender a Europa?

Por que a Rússia não iria querer? Ninguém se surpreende em Moscou com o fato de o Ocidente voltar agora a investir mais em capacidades militares. Já estava na hora de isso acontecer.

A crise migratória na Europa não só ainda não foi resolvida, mas também faz com que os países da União Europeia (UE) permaneçam profundamente divididos sobre a questão dos refugiados. Qual poderia ser a solução?

Em primeiro lugar, a Europa finalmente tem que entrar num acordo sobre a distribuição de refugiados. Em segundo lugar, precisamos urgentemente de uma estratégia ampla para acabar com a guerra na Síria. Isso não será possível sem um consenso fundamental envolvendo Moscou, Riad e Teerã, por mais difícil que isso seja. Nesse ponto, a UE poderia ser diplomaticamente mais ativa. Em terceiro lugar, precisamos urgentemente de mais ajuda aos refugiados na região [Síria e países vizinhos].

O "Estado Islâmico" aparentemente tem perdido terreno na Síria e no Iraque, mas ao mesmo tempo foi capaz de expandir sua influência na Líbia e em outros lugares. Qual o perigo que o EI ainda representa tanto para a região como para fora dela?

O EI tem sido muito bem sucedido no preenchimento de vácuos de poder em muitas partes do Oriente Médio. O grupo é mais forte que a Al Qaeda jamais foi, especialmente com sua rede na Europa e suas fortes atividades de recrutamento e propaganda na internet. O EI continuará sendo um problema enorme para a Europa durante muito tempo. Na Líbia, por exemplo, a UE pode não ter alternativa à intervenção militar, caso o EI continue a se expandir por lá. Aliás, esta é apenas uma das muitas razões pelas quais a Europa necessita desenvolver capacidades para implementar uma política de segurança e defesa comum e credível.

Leia mais