CONFLITO NO CÁUCASO (2) | Escreva sua opinião, comentários, críticas ou sugestões | DW | 23.08.2008
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Sua Opinião

CONFLITO NO CÁUCASO (2)

Nossos leitores opinaram esta semana sobre o conflito no Cáucaso e a tentativa de traduzir o "burocratês". Para conferir, clique aqui!

default

Estamos diante das conseqüências da estratégia norte-americana de dominação. 1. A Geórgia não atacaria a Ossétia do Sul sem estar convencida do apoio dos norte-americanos. 2. A política dos americanos e de parte de seus aliados europeus é visivelmente de cerco à Rússia e não de incorporação da Russia como um ator ocidental. 3. A política americana após o término da URSS foi de transformar as novas repúblicas em aliados militares nesta estratégia de cerco. 4. As novas repúblicas, por seu medo histórico da Rússia, se aliaram militarmente com rapidez aos norte-americanos, sem perceber que, ao se transformar em aliados ofensivos, também se tornam alvos nucleares de primeira linha, como é o caso do sistema de defesa que Bush quer implantar na Polônia, na República Tcheca etc. A paz americana não é a paz que os europeus defendem. A paz americana só traz vantagem para os EUA e sua política conservadora e isolacionista.
Carlos Alexandre Lapa de Aguiar

Prezados Senhores, gostaria de cumprimentá-los pela excelente, abrangente e imparcial cobertura que a Deutsche Welle vem fazendo sobre a presente crise na Geórgia. A reportagem que mostrou como os órgãos de imprensa europeus estão noticiando a crise foi um espetáculo, deu ao leitor de língua portuguesa os mais diversificados e abrangentes aspectos da crise. Hoje, igualmente sensacional a análise de especialistas e partes envolvidas no conflito. É mais do que uma reportagem, é um documento. Acompanho bastante a imprensa brasileira, e alguns segmentos da imprensa norte-americana, russa e européia. Mas não tenho dúvida de que a cobertura mais objetiva e imparcial está na DW!
Miguel Galante Rollo


SOLDADOS DA GEÓRGIA COM ARMAS ALEMÃS

Sabendo que a Alemanha não exporta armas para regiões em conflito e que o pedido de exportação de fuzis para a Geórgia foi previamente negado, até porque se tratava de uma região potencialmente conflituosa, eu começo a ter algumas suspeitas: 1 - A escolha do G36 pode ter sido proposital para causar constrangimento, visto que há outros bons fuzis, como o Sig Sauer, adotado pela Otan e por alguns traficantes sofisticados do Rio de Janeiro. 2 - O atual conflito no Cáucaso pode ter sido planejado com mais antecedência do que se supõe. E, ao que parece, o presidente georgiano, açodadamente, precipitou os acontecimentos. De qualquer modo, o mínimo que se deve fazer é uma boa auditoria nas contas da Heckler & Koch e um bom trabalho de espionagem para descobrir os números de série dos fuzis.
Lyndon C. Storch Jr.


TRADUZINDO O "BUROCRATÊS"

Que medida maravilhosa e democrática, porém creio que se um dia o ''burocratês'' for ''traduzido'' os burocratas vão achar que a sua profissão está perdendo o charme!
Arthur Dolabane

George Orwell já escreveu que todos são iguais perante a lei, porém uns são mais iguais que outros. E eu vou responder com uma pergunta: existe na Alemanha uma categoria profissional chamada despachante ? Na prática, o despachante é aquele que conhece o labirinto burocrático, e mais exatamente, os atalhos desse labirinto, conhecendo também as pessoas que abrem e fecham esses atalhos, com seus respectivos custos. Se existe toda uma categoria profissional voltada para essa atividade, com especializações nos setores tributário, alfandegário e previdenciário (só para citar algumas) atuando nos âmbitos federal, estadual, municipal e distrital, é sinal que o Estado de direito anda meio torto. E não é de hoje.
Lyndon C. Storch Jr.



Leia mais