Conflito na Síria movimenta comunidade internacional | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 10.03.2012
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Conflito na Síria movimenta comunidade internacional

Num esforço para encerrar os conflitos na Síria, ministros do Exterior da Liga Árabe e da Rússia se reuniram no Cairo. Esforços pela paz levaram também Kofi Annan à Síria e ministro do Exterior alemão ao Oriente Médio.

O ex-secretário-geral das Nações Unidas e novo enviado especial da ONU e da Liga Árabe para a Síria, Kofi Annan, encontrou-se na manhã deste sábado (10/03) com o presidente sírio, Bashar al-Assad, em Damasco.

Annan, segundo suas próprias palavras, pretende empenhar-se pelo fim da violência entre o governo sírio e os rebeldes de oposição. As Nações Unidas estimam que cerca de 7.500 pessoas morreram na Síria desde o início dos protestos contra Assad, há um ano.

A televisão estatal síria anunciou que a conversa entre Annan e Assad transcorreu numa "atmosfera positiva". A agenda de Annan na Síria inclui ainda uma reunião com o ministro do Exterior, Walid Muallim, e com representantes da oposição.

Antes de sua viagem ao país, ainda neste sábado, Annan se reuniu no Cairo com ministros do Exterior da Liga Árabe e com o ministro russo do Exterior, Serguei Lavrov. A Rússia é o maior aliado dos sírios.

Posição da Rússia

Segundo informações do ministério russo das Relações Exteriores, Lavrov deixou claro a Kofi Annan que Moscou continua rejeitando qualquer "intromissão grosseira" da comunidade internacional no conflito na Síria. Em seu encontro com Annan, Lavrov teria se referido à "inadmissibilidade de pisotear o direito internacional", declararam representantes do ministério em Moscou.

Lavrov defende posição russa

Lavrov defende posição russa

Durante o encontro com ministros do Exterior da Liga Árabe, Lavrov defendeu um fim imediato da violência na Síria. No Cairo, ele afirmou a disposição de Moscou de cooperar com as forças reformistas sírias.

Ao mesmo tempo, Lavrov pediu à oposição armada que se retirasse das cidades. Segundo ele, o governo de Assad teria, no momento, que permitir a entrada de ajuda humanitária nas regiões em crise.

Lavrov defendeu ainda a posição de seu país diante do conflito na Síria. "Moscou não protege nenhum regime, mas o direito internacional", disse o ministro russo aos participantes da conferência no Cairo. Ele afirmou ainda que agora não é o momento certo para acusações de culpa. Isso caberia, mais tarde, a uma autoridade internacional legitimada para tal, completou.

Catar pede intervenção militar

A Rússia e a China passaram a ser criticadas internacionalmente, após terem bloqueado com seu poder de veto no Conselho de Segurança da ONU uma resolução contra a Síria, pela qual Assad seria pressionado a renunciar.

Após Lavrov, foi a vez do chefe de governo e ministro do Exterior do Catar, xeque Hamad bin Jassim al-Thani, falar aos ministros do Exterior dos países da Liga Árabe. Ele apontou um "genocídio sistemático por parte do governo sírio". Somente um cessar-fogo não seria solução, disse Al Thani.

O primeiro-ministro do Catar defendeu que chegou a hora de uma missão de tropas árabes e de outros países na Síria. Devido à violência brutal, que resultou em milhares de mortos no país, uma intervenção militar é necessária, afirmou Al Thani durante a conferência.

Solução iemenita

Guido Westerwelle é contra intervenção

Guido Westerwelle é contra intervenção

À procura de uma solução para o conflito na Síria, o ministro alemão do Exterior, Guido Westerwelle, viajou para o Iêmen e, posteriormente, para a Arábia Saudita.

Como primeiro ministro do Exterior a visitar Sana após a mudança de governo, Westerwelle prestigiou, apesar da duradoura crise no país, o sucessor do ex-presidente Ali Abdullah Saleh, Mansur Hadi, e pôde testemunhar a solução encontrada para resolver a crise no Iêmen: exílio e anistia para o ex-presidente iemenita Saleh.

Como defendido pelo presidente tunisiano, Moncef Marzouki, essa também poderia ser uma solução para o conflito na Síria: "Imunidade para Assad e sua família". Para Marzouki, "a solução iemenita é a única saída" para a Síria.

Westerwelle viajou a seguir para a Arábia Saudita, já que uma solução para o conflito na Síria sem os sauditas é avaliada como quase impossível. Os sauditas, no entanto, pretendem fornecer armamentos à oposição síria e cogitam uma intervenção no país.

Mundo aposta em Annan

O rei Saud declarou estar decepcionado com as Nações Unidas. "Não esquecemos o que aconteceu na ONU. Sempre fomos orgulhosos das Nações Unidas, mas o que ocorreu foi ruim. O mundo não pode mais confiar na ONU", disse o soberano saudita.

Kofi Annan é sinônimo de esperança

Kofi Annan é sinônimo de esperança

A divergência que levou Rússia e China a se posicionarem contra os outros países motivou também o governo sunita conservador da Arábia Saudita a militarizar ainda mais o conflito na Síria. Para os sauditas, a eventual queda do regime laico e xiita de Bashar al-Assad poderá levar a Síria novamente à religião e fomentar a soberania saudita no mundo árabe.

Como os europeus, Westerwelle é contra uma intervenção. Para o ministro alemão e para a maior parte dos países árabes, como também para a Rússia e a China, a esperança se chama agora Kofi Annan.

No entanto, o próprio ex-secretário-geral da ONU avalia que tem poucas chances de sucesso, embora estas devam ser ser usadas, afirmou. Annan aposta no diálogo, o que provoca críticas da oposição síria, tendo em vista os milhares de mortos no país desde o início dos conflitos.

Para a oposição, o diálogo serviria somente para motivar Assad a reprimir violentamente os levantes. Especialistas em questeões ligadas à Síria acreditam, porém, que a presença de Annan poderá criar a base de uma solução política para o conflito.

CA/afp/dw/dpa/dapd
Revisão: Soraia Vilela

Leia mais