1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Poder da religião

Conflito entre Khamenei e Ahmadinejad aumenta chance da oposição iraniana

Após exercer dois mandatos, Ahmadinejad não pode mais concorrer ao cargo na votação em junho.

As forças conservadoras que governam a República Islâmica do Irã estão divididas. Não passa uma semana sem que seja trazido a público algum conflito entre o líder supremo, aiatolá Ali Khamenei, e o presidente, Mahmud Ahmadinejad.

Khamenei pretende monopolizar o poder. Ahmadinejad se opõe. Com isso, crescem as chances dos que até já estavam esquecidos: os reformistas iranianos.

O movimento verde

Em 2009, várias forças da oposição se uniram no Movimento Verde iraniano e organizaram protestos contra a reeleição de Ahmadinejad. Os líderes do movimento são o ex-presidente do Parlamento Mehdi Karoubi e o ex-primeiro-ministro Mir Hossein Musavi, cujo cargo foi extinto em 1989.

Para muitos iranianos, a reeleição de Ahmadinejad foi manipulada pelas forças conservadoras.  A suspeita levou milhares de pessoas a protestar nas ruas e perguntar: "Onde está o meu voto?"

A revolta reprimida pela polícia durou seis meses. Seus líderes, Karoubi e Musavi, foram condenados a prisão domiciliar e os dois grandes partidos reformistas – Frente de Participação do Irã Islâmico e a Organização Mujahedin da Revolução Islâmica – foram proibidos.

Estagnação e sanções

Após os protestos, muitos políticos da oposição, ativistas, blogueiros e jornalistas foram condenados em processos sumários e desde então estão presos. Ao mesmo tempo, a situação econômica no país piorou devido às sanções internacionais e à má administração.

"Eu fiquei aflita quando vi a cidade e o povo. Até na prisão somos temos mais liberdade", disse a um jornal da oposição a jornalista Mahsa Amrabadi, pouco antes de voltar à prisão depois do indulto de férias.

Nesse contexto social, o movimento reformista pretende participar das eleições em junho. O programa eleitoral deve levar o título "Governo da Esperança, da Confiança e da Estabilidade."

O favorito entre os reformistas é o antecessor de Ahmadinejad, Mohammad Khatami, que está preso. Recentemente 91 políticos, ativistas e familiares do ex-presidente divulgaram uma carta, na qual apelam a Khatami para se candidatar a presidente.

O apoio a Khatami vem também de dentro da prisão. O político da oposição Mostafa Tajzadeh, preso desde 2009, está convencido da vitória do ex-presidente. "Todas as pesquisas de opinião indicam a vitória disparada de Khatami."

Mesmo assim, nem todos os reformistas desejam participar das eleições. Uma parte deles defende a posição de que participar "seria atribuir legitimação à ditadura." Principalmente, por causa do receio de manipulação dos resultados.

"Ninguém deve participar de eleições manipuladas", diz Ardeshir Amir Arjomand que foi consultor de Musavi. Também a fundação alemã Konrad Adenauer afirma que "enquanto o líder religioso Khamenei não mudar sua política e continuar impedindo eleições livres, nenhuma eleição faz sentido".

Participação ainda incerta

Os conservadores consideram a oposição "o inimigo do sistema dominante." A última palavra sobre a admissão de candidatos pertence ao Conselho de Guardiães, que checa a aptidão de cada um dos inscritos.

O grêmio, composto por seis religiosos e seis juristas, ainda não deu seu parecer. Em 2009, de 475 candidatos apenas quatro tiveram seus nomes aprovados. Muitos integrantes do Conselho são considerados conservadores. Supostamente, a última palavra é sempre de Khamenei.

Para o especialista em Irã da Universidade de Birmingham Scott Lucas, alguns candidatos da oposição serão aceitos. O regime precisa de reformistas na cédula de votação para dar uma aparência de legitimidade às eleições. Em conversa com a DW, Lucas se mostra cético: "Mas, para o regime, deve ganhar o candidato correto, e este provavelmente não será um reformista."