1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Conflito do Iraque divide a OTAN

Bélgica, França e Alemanha vetaram preparativos da OTAN para uma virtual guerra contra o Iraque. A seguir, a Turquia solicitou ajuda com base no artigo 4, o que coloca a OTAN diante de uma prova de fogo.

default

Míssil "Patriot" foi solicitado pelos EUA para defesa da Turquia

Um clima de agitação reina no quartel general da OTAN há três semanas, desde que França, a Bélgica e a Alemanha se opuseram ao pedido dos Estados Unidos para que a Aliança do Tratado do Atlântico Norte iniciasse os preparativos de proteção da Turquia em caso de um ataque por parte do Iraque. No entanto foi somente no domingo (09) que o governo belga comunicou a apresentação oficial de seu veto.

A França só o fez na manhã desta segunda-feira, quando começou a "reunião de crise" da OTAN em Bruxelas. E a Alemanha apresentou sua objeção formal na última hora, pois às 10 horas vencia o prazo, do contrário o pedido seria considerado aprovado pelos 19 países-membros. Os EUA querem os aviões de reconhecimento Awacs da OTAN, o estacionamento de mísseis Patriot de defesa antiaérea e de sistemas contra armas atômicas, químicas e biológicas na Turquia.

Contra a lógica de guerra

Para Bruxelas, Paris e Berlim, a questão é o momento em que a OTAN deve decidir sobre essa questão. Começar agora com preparativos militares para uma eventual guerra contra o Iraque seria um sinal falso, como manifestou o ministro belga do Exterior, Louis Michel: "Negamos a aprovação porque, com tal decisão, estaríamos aceitando a lógica da guerra." Os três países querem evitar a impressão de que a guerra é inevitável.

Para Nicholas Burns, embaixador dos EUA na OTAN, o que está em jogo é a credibilidade da aliança atlântica. O secretário norte-americano da Defesa, Donald Rumsfeld, já havia considerado o veto "uma vergonha". Os três países serão julgados pelas suas próprias populações e pelos outros membros da aliança, disse Rumsfeld em entrevista ao jornal conservador francês Le Figaro. O secretário de Estado norte-americano, Colin Powell, também criticou a OTAN pelo veto aos preparativos, lembrando seu compromisso de socorrer os países membros.

Turquia pede consultas e abre precedente

Por sua vez, o secretário-geral da OTAN, George Robertson, admitiu que "é sério não havermos chegado a um acordo em três semanas", lembrando, porém, que os aliados já tiveram muitas discrepâncias no passado. Mesmo acreditando que as divergências tendem a aumentar no futuro, ele mostrou-se confiante de que será possível um entendimento. "O que nos une é o fato de garantirmos a segurança de todos os membros da OTAN. Por isso, a questão não é se vamos fazer os preparativos, mas quando iremos fazê-los".

Os acontecimentos parecem dar razão a Robertson, pois reagindo ao veto dos três governos, a Turquia deu o próximo passo e solicitou oficialmente consultas, com base no artigo 4 do tratado da OTAN. Esse artigo permite que um país membro solicite uma consulta oficial, caso veja ameaçada sua integridade territorial, a independência política ou sua segurança. É a primeira vez que isso acontece na história da Aliança Atlântica.

Negar ajuda nesse caso, seria o mesmo que ditar a sentença de morte da OTAN. Uma questão importante a ser discutida pelos 19 embaixadores da aliança militar é se a ameaça que paira sobre a Turquia é realmente aguda neste momento. Os aliados concordam, porém, que em caso de ataque ela receberia imediatamente ajuda. Situada na intercessão da Europa e da Ásia, e fazendo fronteira com o Iraque, a Turquia é tida como o provável ponto de partida para um ataque norte-americano contra o regime de Saddam Hussein. E também como um dos primeiros países afetados por um contra-ataque.

Leia mais