1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Conferência reúne representantes islâmicos em Berlim

Na Alemanha, vivem três milhões de muçulmanos. Conferência em Berlim debate pontos de divergência e consenso entre a heterogênea comunidade islâmica no país e o Estado.

default

Schäuble (esq.), ministro alemão do Interior, e Ayyub Köhler, presidente do Conselho Central dos Muçulmanos na Alemanha

A Conferência Islâmica Alemã é a primeira tentativa de estabelecer um diálogo entre representantes muçulmanos no país e instâncias oficiais. As autoridades alemãs afirmam que uma proposta semelhante não havia sido feita anteriormente, devido à heterogeneidade da comunidade islâmica no país.

"Temos cerca de três milhões de muçulmanos na Alemanha e a tendência é de que este número aumente. Por isso, precisamos estabelecer relações entre o Estado, representado pelo governo, e a comunidade religiosa dos muçulmanos", declarou o ministro do Interior, o democrata-cristão Wolfgang Schäuble.

Diversas organizações

Da conferência participam representantes das cinco maiores federações muçulmanas no país, entre elas, a União Turco-Islâmica (controlada pelo governo da Turquia), o Conselho Islâmico e o Conselho Central dos Muçulmanos na Alemanha. No entanto, apenas cerca de 15% dos muçulmanos no país pertencem a algum tipo de organização.

Outros dez convidados do governo alemão participam das rodadas de discussão, como Seyran Ates, defensora dos direitos da mulher, e a alemã de origem turca Necla Kelek, escritora e crítica do islã. Junto com os representantes da comunicade muçulmana estarão participando da conferência enviados dos governos federal e estaduais e das prefeituras alemãs.

Islã: parte da Alemanha

Islam Konferenz in Berlin Wolfgang Schäuble und Günther Beckstein

Wolfgang Schäuble e secretário do Interior da Baviera, Günther Beckstein (direita), na conferência de Berlim

"Precisamos debater a respeito do fato de que o islã se tornou parte da Alemanha e o que isso significa para os muçulmanos no país", afirmou Schäuble, salientando que a comunidade muçulmana é obrigada "a aceitar a ordem e valores vigentes no país, como a igualdade entre homens e mulheres e a separação entre religião e Estado. Ou seja, sem querer fazer da sharia o modelo de ordem pública".

O objetivo do Ministério do Interior é reunir, durante dois anos, os participantes da conferência em encontros regulares. Eles serão divididos em "grupos de trabalho", que deverão discutir questões como a posição dos muçulmanos frente à Constituição alemã e a relação entre religião e Estado.

Aulas para entendidos?

Além disso, a conferência deverá tratar de assuntos como as aulas de religião islâmica nas escolas públicas alemãs, o planejamento necessário para definir o conteúdo destas aulas e a formação especial que os imanes deverão receber no país.

A meta não é querer ensinar o "pai nosso ao vigário", ou seja, querer dar lições sobre o islã à própria comunidade muçulmana, garantem os representantes do Ministério do Interior, sob a coordenação do democrata-cristão Schäuble.

"Processo recíproco"

Frauen auf dem türkischen Markt in Berlin Kreuzberg

Mulheres muçulmanas no bairro Kreuzberg, em Berlim

Outro objetivo de estabelecer um diálogo entre o Estado alemão e a comunidade islâmica, segundo o ministro, é eliminar preconceitos disseminados pela mídia dos dois lados, além de tentar reduzir as dificuldades enfrentadas nas escolas e no mercado de trabalho por jovens muçulmanos que não dominam bem o alemão.

"Por outro lado, a conferência e o debate público suscitado por ela deverão contribuir para que fique claro, também para os não-muçulmanos no país, que a comunidade islâmica faz parte de nossas vidas, de nosso povo, sendo acolhida e aceita – embora ela também tenha que se ater às regras vigentes no país. Trata-se de um processo recíproco", garante o ministro.

Segurança: tema central?

Last but not least, outro ponto discutido na conferência é o aumento do extremismo e radicalismo entre os muçulmanos. Aiman Mazyek, secretário-geral do Conselho Central dos Muçulmanos na Alemanha, alerta que a conferência não deveria dar destaque excessivo ao tema "segurança e islamismo".

O encontro, segundo ele, não deveria se transformar em uma "cúpula da segurança". Após a reunião inicial desta quarta-feira (27/09), os participantes da conferência vão se encontrar regularmente a cada seis meses, para apresentar os resultados das discussões paralelas e trocar informações.

Leia mais