1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Conferência reúne recursos contra doenças infecciosas letais

Conferência reúne em Berlim os países doadores de recursos contra a malária, tuberculose e aids. A meta é aumentar as verbas destinadas ao setor da saúde nos países em desenvolvimento.

default

Mosquito transmissor da malária: problema grave em vários países

Michel Kazatchkine, diretor do Fundo Mundial da Luta contra a Aids, a Tuberculose e a Malária, afirmou antes da conferência que começa nesta quinta-feira (27/09), em Berlim, liderada pelo ex-secretário-geral da ONU, Kofi Annan que se espera que os países doadores destinem pelo menos 5,7 bilhões de euros entre 2008 e 2010 ao combate das três enfermidades, que podem ser letais.

Hoje, estima-se que seis milhões de pessoas estejam infectadas pela aids, tuberculose e malária, em todo o mundo. O Fundo Mundial, criado pelo Grupo dos 8 (países mais ricos do mundo e Rússia), estima que as verbas destinadas ao combate das três doenças pode ter salvado dois milhões de vidas desde sua implementação, no ano de 2002. O Fundo financia mais de 65% do combate à tuberculose e à malária em todo o mundo e contribui com 20% dos recursos destinados à luta contra a aids.

Kazatchkine salientou que a conferência que acontece na capital alemã deveria emitir sinais de esperança para os que participam da luta no combate às três enfermidades.

O governo alemão já prometeu deslocar aproximadamente 600 milhões de euros até 2010 para o Fundo, além de um adicional de 200 milhões de euros nos quatro anos seguintes, segundo informa a ministra alemã de Cooperação Econômica e Desenvolvimento, Heidemarie Wieczorek-Zeul.

"Todos saem ganhando"

Heidemarie Wieczorek-Zeul stellt neuen Freiwilligendienst vor

Heidemarie Wieczorek-Zeul, ministra alemã de Cooperação Econômica e Desenvolvimento

Os fundos adicionais deverão ser utilizados na iniciativa Debt to Health (Dívida para a Saúde), que prevê o perdão de parte da dívida dos países em desenvolvimento, casos estes utilizem recursos, através do Fundo Global, a projetos na área da saúde. "A iniciativa é tão elucidativa, que você se pergunta por que está acontecendo só agora", diz Wieczorek-Zeul.

Na última quarta-feira (26/09), a Alemanha selou um acordo com a Indonésia, que prevê o perdão de 50 milhões da dívida externa do país, sob a condição de que Jacarta destine metade deste montante aos programas de saúde. O acordo-piloto deverá ter validade por dois anos, quando então países como o Paquistão, Quênia e Peru deverão também assiná-lo.

Segundo Wieczorek-Zeul, todos saem ganhando. "O Fundo Mundial ganha mais segurança no planejamento de sua importante tarefa, a Indonésia incrementa seu sistema de saúde e a Alemanha arca com sua responsabilidade no combate à aids, tuberculose e malária", afirma a ministra.

Alemanha precisa fazer mais

Aids: Medikamente

Mais recursos deveriam ser destinados a programas de combate à aids

Críticos afirmam, porém, que a Alemanha poderia fazer muito mais para ajudar os países em desenvolvimento. Karl Addicks, especialista em desenvolvimento do Partido Liberal, de oposição, aponta a necessidade de um melhor monitoramento do Fundo Mundial. "Houve vários casos de traição da confiança e de uso de medicamentos usados após a data de validade", denuncia o parlamentar.

O dinheiro é gasto da forma como os países que o pedem querem gastá-lo. Eles criam os programas, baseados em suas necessidades e prioridades, e nós apenas checamos se esses programas respeitam, de fato, padrões de qualidade técnica – para sabermos se o dinheiro está sendo gasto da forma certa", explica Jon Lidén, do Fundo Mundial.

Claudia Roth, presidente do Partido Verde, ressalta que a Alemanha ainda está muito atrás em termos de participação no Fundo Global, se comparada a outros países industrializados. "O governo alemão deveria aprender com a França, que embutiu, por exemplo, um imposto nos bilhetes aéreos, destinado a fortalecer os países em desenvolvimento", lembra Roth. (sv)

Leia mais