Conferência Mundial do Clima encerra com acordo | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 10.11.2001
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Conferência Mundial do Clima encerra com acordo

Com um "final meio feliz", segundo ambientalistas, a ratificação do Protocolo de Kyoto foi salva no encontro em Marrakech, mesmo sem a participação dos EUA.

default

No encerramento da conferência em Marrakech, o clima era de alivio

Representantes dos 160 países presentes à Conferência Mundial do Clima, em Marrakech, no Marrocos, chegaram na manhã deste sábado a um acordo, após uma série de difíceis negociações na noite anterior. Com isso, ficou definida a ratificação do Protocolo de Kyoto, que encontrava-se ameaçada após a retirada dos EUA.

Organizações de defesa ambiental criticaram o relaxamento das medidas definidas pela Conferência, mas mostraram-se ao mesmo tempo aliviadas. "Apesar de tudo, esse é o tiro de largada para a assinatura de um acordo global do clima", afirmou Karsten Smid, representante do Greenpeace .

Rússia - Um dos pontos mais criticados pelos ambientalistas foi a permissão dada à Rússia - que é um dos maiores poluidores do mundo - de considerar o dobro do número de suas florestas como "poços de carbono" (conceito referente às superfícies capazes de absorver o gás carbônico da atmosfera). Representantes de organizações de defesa do meio ambiente consideraram a decisão como "um final meio feliz", acertado para salvar a Conferência do fracasso total.

O ministro alemão do Meio Ambiente, Jürgen Trittin, afirmou neste sábado em Berlim que os últimos empecilhos para a ratificação do Protocolo de Kyoto foram enfim afastados em Marrakech. "O acordo alcançado em Bonn provou sua força", declarou o ministro. Uma solução para o problema vinha sendo bloqueada principalmente pela Austrália, Canadá, Japão e Rússia. A crise foi, no entanto, solucionada através de um "programa dos quatro pontos". Os delegados dos países presentes aceitaram enfim assinar um protocolo que estabelece a redução do efeito estufa, estabelecendo regras que controlam a emissão de gases.

Estados Unidos - Segundo o líder da delegação européia na Conferência, o belga Olivier Deleuze, a questão agora é definir a participação dos EUA "nos grandes esforços internacionais contra o efeito estufa". O governo norte-americano não participou ativamente da Conferência em Marrakech, embora tenha enviado alguns observadores. Os EUA - país com maior emissão de poluentes do mundo - anunciaram, em março último, sua retirada das negociações, após acusar o Protocolo de Kyoto de "injusto e inviável".