1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Conferência Internacional pleiteia distribuição mais justa da água

Delegados aprovam, no encerramento do encontro em Bonn, catálogo de medidas a ser apresentado no ano que vem em Johanesburgo, na Conferência Rio + 10.

default

A ministra Wieczorek-Zeul acha que a água deve ser instrumento de promover justiça e paz

A Conferência Internacional sobre a Água Doce encerrou-se nesta sexta-feira, em Bonn, com a exigência de uma distribuição mais justa do precioso líquido no mundo e pelo seu aproveitamento sustentável. Os delegados de 130 países aprovaram um catálogo de 26 medidas que será apresentado na Conferência Mundial sobre o Desenvolvimento Sustentável, a realizar-se em Johanesburgo, na África do Sul, em setembro do ano que vem.

A ministra da Cooperação Econômica e Desenvolvimento da Alemanha, Heidemarie Wieczorek-Zeul, acentuou que a água não é apenas a chave do desenvolvimento sustentável, como também de importância decisiva para maior justiça e paz. Para seu colega do Meio Ambiente, Jürgen Trittin, a água é de primordial importância no combate à pobreza, "a mais tóxica das substâncias existentes no meio ambiente".

Metas - O documento de encerramento da conferência estabelece que os governos devem trabalhar no sentido de fornecer a cada pessoa o mínimo de 50 litros de água potável por dia, para seu abastecimento básico. O objetivo é reduzir à metade, até 2015, a parcela da população mundial que não tem acesso à água limpa (atualmente, 1,2 bilhão de pessoas).

A ministra Wieczorek-Zeul chamou a atenção para estudos segundo os quais, para atingir essa meta, seriam necessários investimentos anuais de US$ 180 bilhões, em todo o mundo, enquanto no momento são aplicados apenas entre US$ 70 e 80 bilhões.

A política social-democrata louvou ainda os representantes da iniciativa privada presentes à conferência, que anunciaram a elaboração de um código de conduta visando a combater a corrupção em grandes projetos hídricos.

Outra conclusão importante da conferência de Bonn foi o reconhecimento da necessidade de intensificação dos esforços e investimentos no tratamento dos esgotos, ao qual 2,5 bilhões de pessoas no mundo não têm acesso.

Para a Cúpula de Johanesburgo, está prevista a aprovação de uma Carta Mundial da Água. A comunidade mundial precisa conscientizar-se de quão "dramático é esse desafio", afirmou Wieczorek-Zeul, considerando que a todo ano morrem 11 milhões de crianças e adolescentes no mundo, ou de fome, ou por beberem água contaminada.