Conferência do Grupo de Contato define em Paris os rumos da Líbia | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 31.08.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Conferência do Grupo de Contato define em Paris os rumos da Líbia

Grupo de países se reúne pela quarta vez para discutir ajuda à Líbia. Brasil, que não reconhece o Conselho Nacional de Transição líbio, participa como convidado.

default

Palácio do Eliseu recebe a quarta conferência do Grupo de Contato

A França recebe nesta quinta-feira (01/09) os representantes do chamado Grupo de Contato, criado em março último para administrar a operação militar da Otan na Líbia. A data escolhida pelo presidente francês, Nicolas Sarkozy, e pelo primeiro-ministro britânico, David Cameron, coorganizador, é simbólica: por 41 anos, Muammar Kadafi comemorou neste dia o aniversário da revolução que o levou ao poder, em 1969.

A proposta francesa é transformar o comitê em Grupo de Amigos da Líbia, e discutir durante o encontro o futuro do país africano. É aguardada a presença do secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, da secretária de Estado norte-americano, Hillary Clinton, e da chanceler federal alemã, Angela Merkel.

A conferência no Palácio do Eliseu também deve receber o presidente do Conselho Nacional de Transição (CNT) da Líbia. O debate será focado na ajuda financeira ao país que expulsou Kadafi do poder. "A comunidade internacional aguarda impaciente para que o governo de transição indique suas demandas", comentou uma porta-voz da secretaria de Estado dos EUA.

Segundo os cálculos do CNT, cinco bilhões de dólares seriam necessários apenas como ajuda emergencial à nação arrasada pelo conflito interno. O governo interino teria que pagar ainda os salários de servidores e formar uma nova polícia e sistema jurídico.

Posição brasileira

O Brasil não faz parte do Grupo de Contato, mas foi convidado por Sarkozy para participar do encontro. O governo brasileiro ainda não reconheceu oficialmente o CNT, e diz que uma manifestação oficial virá depois da discussão na Assembleia Geral das Nações Unidas para decidir quem é o representante legítimo da Líbia – uma decisão que deverá ser acatada pelo conjunto da comunidade internacional, incluindo o Brasil.

Além de Índia, China, Rússia e Alemanha, também o Brasil se absteve quando o Conselho de Segurança da ONU votou a missão militar no país africano. Segundo o ministro brasileiro do Exterior, Antônio Patriota, "havia a suspeita e o temor de que esta autorização [de ataques aéreos para proteger a população civil] pudesse ser desvirtuada. É um elo muito problemático associar a promoção de democracia e de direitos humanos a iniciativas militares", afirmou.

Entre os representantes de 60 países e organizações que devem acompanhar a discussão em Paris, estará também o vice-ministro chinês do Exterior, Zhai Jun. Esta será a quarta reunião do Grupo de Contato, formado por 32 países e sete organizações regionais. Além do Brasil, também foram convidados pela primeira vez como observadores Índia, Coreia do Sul, Ucrânia e Senegal.

Relaxamento de sanções

Ainda antes da reunião na França, a União Europeia (UE) pode formalizar nesta quinta-feira a suspensão de sanções impostas pelo bloco contra cerca de 30 empresas petrolíferas e portuárias líbias. Um primeiro acordo técnico entre peritos dos 27 Estados-membros já teria sido firmado nesta quarta-feira.

Se for confirmada, a suspensão entrará em vigor apenas na sexta-feira, depois que a decisão for publicada no diário oficial da UE. Atualmente, 50 empresas líbias e 42 nomes estão na lista de sanções impostas pelos europeus.

Autoras: Nádia Pontes / Ericka de Sá
Revisão: Roselaine Wandscheer

Leia mais