Conferência avalia desempenho do Tribunal Penal Internacional oito anos após sua criação | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 31.05.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Conferência avalia desempenho do Tribunal Penal Internacional oito anos após sua criação

Definido pelo Estatuto de Roma, de 1998, o órgão começou a atuar em 2002. Entretanto, ainda enfrenta a resistência de países não-signatários e sofre infrações até do próprio secretário-geral da ONU.

default

Campo de refugiados em Darfur, no Sudão

Há oito anos, em julho de 2002, entrava em funcionamento o Tribunal Penal Internacional (TPI ou ICC na sigla em inglês). Seu procurador-chefe, o jurista argentino Luis Moreno Ocampo, faz um balanço positivo da atuação do órgão, que se reúne a partir desta segunda-feira (31/05) em Campala, em Uganda, para uma conferência destinada a avaliar seu próprio desempenho.

A conferência deverá se concentrar especialmente em uma questão-chave: as acusações e investigações do Tribunal Penal Internacional ajudam ou atrapalham o processo de paz e de resolução de conflitos entre países?

Segundo Ocampo, neste período o mundo progrediu no que diz respeito à punição contra crimes de guerra, genocídios e crimes contra a humanidade.

"O tribunal lida atualmente com processos contra crimes ocorridos em Uganda, Congo, República Centro-Africana e Darfur. E agora pedimos autorização dos juízes para iniciar uma investigação no Quênia. Mantemos quatro pessoas presas e estamos avaliando iniciar investigações sobre crimes na Colômbia, na Costa do Marfim, na Palestina e na Geórgia", conta.

Maioria da ONU ratificou

Desde sua criação com o Estatuto de Roma em 1998, uma maioria de 111 dos 192 países-membros das Nações Unidas o ratificou. Outros 39 Estados assinaram o Estatuto, mas ainda não o ratificaram. Entre os 42 não-signatários, estão diversos países cuja Justiça nacional é ineficiente no combate aos três principais crimes definidos pelo Estatuto de Roma – genocídio, crimes contra a humanidade e crimes de guerra–, entre eles Sudão, Iraque, Israel, Cuba e Arábia Saudita.

Infografik Internationaler Strafgerichtshof brasilianisch

EUA: um caso à parte

O maior obstáculo ao desempenho do Tribunal, no entanto, é a contínua abstenção dos Estados Unidos. O governo Bush chegou a conduzir uma sabotagem ativa contra o órgão e tentou, por meio de grande pressão, fazer com que outros Estados não aderissem ao Estatuto.

Um dos maiores críticos da posição americana é o jurista Benjamin Feresz, de 92 anos. Ele atuou como promotor-chefe no processo de Nurembergue, em 1946, contra criminosos do regime nazista na Alemanha.

"Todo país que violar as leis deve ser levado à Justiça, sejam os Estados Unidos, Israel, Egito, China ou qualquer outro. Este é o significado do Direito. Regras são determinadas e quem as violar precisa ser responsabilizado", argumenta Feresz.

A administração Obama suspendeu a sabotagem ativa contra o TPI. No entanto, os Estados Unidos ainda se recusam a aderir ao Estatuto sob a justificativa de que precisam proteger seus soldados de acusações e aprisionamentos aleatórios.

David Scheffer, que participou das negociações do Estatuto como representante do governo de Bill Clinton nos anos de 1990, não concorda com a desculpa do governo americano.

"Nossos militares seriam muito beneficiados por um processo jurídico que disciplinasse as forças militares de outros países, fazendo-as obedecer às leis de guerra, ao direito internacional e à Convenção para Prevenção e Repressão do Crime de Genocídio. Isso significaria uma proteção fundamental para as Forças Armadas dos Estados Unidos", explica Scheffer.

Ban Ki-moon

No ano passado, Ocampo emitiu um mandado internacional de prisão contra o presidente do Sudão, Omar Al-Bashir. Entretanto, o mandado foi ignorado por muitos governos africanos e árabes, que continuam recebendo Al-Bashir em suas capitais.

Ban Ki-moon, secretário-geral das Nações Unidas, também criticou o mandado contra o recém-reeleito presidente sudanês. Na cerimônia de início do segundo mandato de Bashir na última quinta-feira (27/05) em Cartum, Ban Ki-moon permitiu que representantes da ONU participassem oficialmente do evento, o que constitui uma grave infração contra o regulamento da organização mundial.

Autor: Andreas Zumach (np)
Revisão: Rodrigo Rimon

Leia mais