1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Confederação dos Sindicatos Alemães abre congresso em Berlim

Diante da crescente evasão de filiados, sindicatos alemães se vêem obrigados a repensar suas estruturas, para se adaptar à nova configuração do mercado de trabalho.

default

Michael Sommer é o único candidato a assumir a presidência da DGB

"Novos tempos – novas chances de trabalho e justiça social" é o lema do congresso de cinco dias convocado pela Confederação dos Sindicatos Alemães (DGB). Com a rápida perda de sindicalizados evidenciada nos últimos anos, as entidades trabalhistas precisam urgentemente reconquistar uma posição de liderança como formadores de opinião política, ressaltou o futuro presidente da DGB, Michael Sommer.

Sindicatos não atraem jovens

A popularidade dos sindicatos alemães entre os trabalhadores vem caindo drasticamente desde o início da década de 90. Logo após reunificação alemã, a DGB teve uma adesão recorde, chegando a contar 11,8 milhões de membros em 1991. Não demorou muito, no entanto, para as estatísticas refletirem uma crescente insatisfação dos filiados em relação à política sindical da DGB.

No ano passado, o número de sindicalizados voltou a cair para 7,89 milhões, sendo inferior ao registrado em 1990. Apesar da intensa propaganda e da onda de fusões sindicais dos últimos anos, a DGB não conseguiu conter a evasão, perdendo cerca de 131 mil membros por ano. Há cada vez menos jovens sindicalizados; a idade média dos membros é cada vez alta.

DGB elege nova presidência

Com o término dos oito anos de mandato de Dieter Schulte (62) na cúpula da DGB, todas as esperanças estão depositadas no líder sindical Michael Sommer (50), a ser confirmado nesta terça-feira (28) como novo presidente da DGB. Para Sommer, os sindicatos têm que se voltar mais para os profissionais autônomos e micro-empresários que vêm invadindo o mercado de trabalho. Além disso, seria necessário se adaptar aos novos tipos de trajetória profissional e dar mais atenção ao setor da prestação de serviços.

Além de eleger a nova presidência da confederação, o congresso de Berlim discutirá até sexta-feira (31) possibilidades de flexibilizar a jornada de trabalho, integrar melhor os trabalhadores estrangeiros e manter a autonomia tarifária. O 17º Congresso da DGB também fará um balanço da política trabalhista dos quatro anos de governo social-democrata e verde.

Presidente apóia reeleição do governo federal

Apesar das críticas à política fiscal e às medidas de contenção de despesas públicas do governo, Sommer – líder sindical há 30 anos, ex-presidente do Sindicato dos Correios – não esconde seu apoio à atual coalizão, sem rejeitar – no entanto – o diálogo com o candidato social-cristão à chancelaria federal, Edmund Stoiber, com quem pretende se encontrar na quinta-feira. O chanceler federal Gerhard Schröder, do Partido Social Democrático, tradicional aliado do movimento sindical alemão, comparece ao congresso na quarta-feira (29), onde vai se pronunciar sobre as perspectivas do mercado de trabalho e sobre a "justiça na era da globalização".

Em seu discurso por ocasião da abertura do congresso em Berlim, o presidente alemão Johannes Rau conclamou políticos e trabalhadores à continuidade de reformas trabalhistas, mas advertiu contra prejuízos para o Estado social: "O mercado não gera por si solidariedade e justiça", disse Rau.

Links externos