1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

Condução coercitiva não significa culpa de Lula, diz juiz Moro

Em nota, magistrado diz que autorizou medida a pedido do Ministério Público Federal e que houve preocupação em proteger a imagem do ex-presidente. Ele lamenta que a operação tenha gerado confrontos entre manifestantes.

O juiz federal Sergio Moro, que autorizou o mandado de condução coercitiva contra o ex-presidente Lula como parte das investigações da Operação Lava Jato, afirmou neste sábado (05/03) por meio de uma nota que a medida não significa uma "antecipação" de culpa do petista e tinha o objetivo de esclarecer a verdade.

Ele disse que a condução coercitiva foi acatada por ele a pedido do Ministério Público Federal (MPF) e teve, ainda, o cuidado de "preservar, durante a diligência, a imagem do ex-presidente".

De acordo com o juiz, a medida visou evitar possíveis tumultos como o registrado no Fórum Criminal de Barra Funda, em São Paulo, no dia 17 de fevereiro, quando houve confronto entre manifestantes favoráveis e contrários ao ex-presidente. Nesta data, Lula e a esposa, Marisa, iam prestar declarações sobre o apartamento triplex no Condomínio Solaris, no Guarujá, em São Paulo.

Ele manifestou também os confrontos ocorridos em manifestações contra e a favor de Lula ocorridas nesta sexta-feira no aeroporto de Congonhas (SP), onde o ex-presidente depôs, e na frente de sua residência em São Bernardo do Campo e do Instituto Lula, também alvo de mandados de busca no âmbito das investigações. Houve confrontos entre os grupos rivais e a polícia interveio com cassetetes em alguns momentos.

"Repudia este julgador, sem prejuízo da liberdade de expressão e de manifestação política, atos de violência de qualquer natureza, origem e direcionamento, bem como a incitação à prática de violência, ofensas ou ameaças a quem quer que seja, a investigados, a partidos políticos, a instituições constituídas ou a qualquer pessoa", disse o juiz federal do Paraná na nota.

Chance de tumulto

Em seu despacho autorizando a Polícia Federal a levar Lula para prestar depoimento, o juiz concordou com a argumentação do Ministério Público Federal de que o mandado de condução coercitiva contra Lula era necessário por questões de segurança, já que um depoimento agendado do ex-presidente implicaria em maior chance de tumulto.

"Lamenta-se que as diligências tenham levado a pontuais confrontos em manifestação políticas inflamadas, com agressões a inocentes, exatamente o que se pretendia evitar", acrescentou na nota deste sábado o juiz, responsável pelos processos da Lava Jato na primeira instância.

Lula foi levado para depor na sexta-feira sob suspeita de ser beneficiário de crimes envolvendo a Petrobras, aproximando ainda mais a investigação do atual governo.

Críticas de Lula

Após o depoimento à Polícia Federal, em entrevista na sede do PT em São Paulo, Lula criticou a condução coercitiva e disse que jamais se recusou a dar depoimentos à Polícia Federal nas investigações da Operação Lava Jato.

"Não precisaria levar uma coerção à minha casa, dos meus filhos. Não precisava, era só ter me comunicado. Antes dele, já fazíamos a coisa correta nesse país. A gente já lutava para fazer a coisa certa neste país. Lamentavelmente preferiram usar a prepotência, a arrogância, o show de pirotecnia. É lamentável que uma parte do Judiciário esteja trabalhando com a imprensa", disse.

FC/abr/rtr/ots

Leia mais