1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Condenação da banda Pussy Riot causa indignação internacional

Líderes dentro e fora da Rússia consideram excessiva pena contra a banda. Integrantes do grupo foram sentenciadas a dois anos de prisão por tribunal em Moscou devido a ato de protesto contra Vladimir Putin.

A condenação da banda punk Pussy Riot causou protestos no mundo inteiro e duras críticas à Justiça russa e ao Kremlin. As três artistas foram sentenciadas nesta sexta-feira (17/08) a dois anos de prisão por um tribunal em Moscou em decorrência de uma ação de protesto contra o presidente Vladimir Putin.

A encarregada da União Europeia (UE) para assuntos de política externa, Catherine Ashton, classificou a sentença para as integrantes da banda Pussy Riot como "excessiva" e como uma nova tentativa de intimidar a oposição. Ela se disse "profundamente desapontada" e afirmou que a decisão coloca em dúvida a capacidade da Rússia de respeitar normas internacionais para processos judiciais independentes.

"Este caso se junta ao recente aumento acentuado de intimidações politicamente motivadas e da repressão de ativistas da oposição na Federação Russa", ressaltou Ashton, acrescentando que tal tendência preocupa cada vez mais a UE.

A Justiça russa declarou na sexta-feira Nadezhda Tolokonnikova, 22, Maria Alyokhina, 24, e Yekaterina Samutsevich, 30, integrantes da banda feminista punk Pussy Riot, culpadas por vandalismo e incitação ao ódio religioso.

As jovens foram condenadas a dois anos de prisão devido a um ato de protesto realizado em fevereiro numa igreja ortodoxa em Moscou, contra o então primeiro-ministro e candidato à presidência russa, Vladimir Putin. As integrantes da banda subiram no altar do templo religioso usando máscaras de esqui brilhantes e cantaram uma "oração punk", pedindo à Virgem Maria que livre a Rússia de Putin.

Merkel e EUA desaprovam sentença

Angela Merkel

Merkel considera pena desproporcional

A chanceler federal alemã, Angela Merkel, afirmou que a sentença era "desproporcionalmente dura" e que não está em conformidade com os valores europeus de democracia e do Estado de Direito que a própria Rússia se comprometeu a respeitar como membro do Conselho da Europa. "Uma sociedade civil vibrante e cidadãos politicamente ativos são uma condição necessária e não uma ameaça para a modernização da Rússia", ressaltou.

O presidente dos EUA, Barack Obama, se mostrou alarmado. "Os Estados Unidos estão decepcionados com a sentença, incluindo as penas desproporcionais que foram impostas", disse um porta-voz da Casa Branca. O representante acrescentou que o governo norte-americano tem "preocupações sérias sobre a maneira como estas jovens têm sido tratadas pelo sistema judicial russo".

Críticas na Rússia

Na Rússia, o assessor russo para direitos humanos, Vladimir Lukin, classificou a pena imposta como "injusta". "Acredito que esse grupo não cometeu nenhum crime, mas um delito grave", disse, acrescentando que não acha necessária uma sanção penal.

Mikhail Fedotov, diretor do Conselho Presidencial para os Direitos Humanos, espera que a pena seja abrandada. Em entrevista à agência de notícias RIA Novosti, ele afirmou considerar uma absolvição mais adequada ao caso.

O famoso blogueiro e ativista da oposição Alexei Nawalny, presente no tribunal durante o julgamento, descreveu a sentença como "acerto de contas político e destruição ostensiva da lei".

Já o partido de Putin, Rússia Unida, saudou a condenação da banda. Andrei Isayev, do Conselho Geral do partido, descreveu o veredicto como "duro, mas justo". O deputado Vladimir Burmatow escreveu no site oficial do partido que "a pena é branda demais".

Kasparov preso

Police detain former world chess champion and opposition leader Garry Kasparov (C) during the trial of the female punk band Pussy Riot outside a court building in Moscow, August 17, 2012. A Russian judge found three women from the punk band Pussy Riot guilty of hooliganism motivated by religious hatred on Friday for staging an anti-Kremlin protest on the altar of Moscow's main Russian Orthodox church. REUTERS/Tatyana Makeyeva (RUSSIA - Tags: CRIME LAW POLITICS RELIGION CIVIL UNREST)

Prisão de Kasparov em protesto contra condenação das Pussy Riot

O ex-campeão mundial de xadrez Garry Kasparov pode ser condenado a até cinco anos de prisão, após ter sido detido em protesto contra a sentença à banda Pussy Riot. A Promotoria russa acusa Kasparov de morder um policial, conforme informações da agência de notícias Interfax. Kasparov, crítico do líder Putin, negou a acusação.

Nesta sexta-feira, a polícia prendeu temporariamente cerca de 100 pessoas que participavam de manifestações nas proximidades do tribunal onde as artistas foram julgadas.

A sentença contra a banda punk também provocou protestos fora da Rússia. Em Nova York, seis manifestantes foram presos por bloquear o trânsito e usar máscaras – ato proibido pela lei local.

MD/dapd/epd/dpa
Revisão: Luisa Frey

Leia mais