1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Concorde voa de novo sobre o Atlântico

Air France e Britisch Airways retomam os vôos com o legendário avião supersônico, mais de um ano após o trágico acidente nas proximidades de Paris.

Com um intervalo de apenas uma hora, partiram hoje (07), de Paris e Londres, dois supersônicos Concorde com destino a Nova York, onde ambos aterrissaram mais cedo do que se esperava. O vôo Paris-Nova York durou apenas 3 horas e 55 minutos; o que partiu de Londres, 3 horas e 24 minutos.

A Air France, que retomou assim os vôos comerciais com o Concorde, levou a bordo de sua aeronave, entre os 71 passageiros, vários VIPs, entre os quais o ministro francês dos Transportes, Jean-Claude Gayssot, o presidente da Air France, Jean-Cyrill Spinetta, o fabricante Edouard Michelin (que equipou as aeronaves com um novo pneu, especialmente desenvolvido para essa finalidade) e o produtor de perfumes Jean-Paul Guerlain.

A British Airways convidou para este primeiro vôo conhecidas personalidades do show business, entre os quais o cantor Sting, da política, mídia e empresariado. Os vôos comerciais de Londres só serão retomados na sexta-feira. Ainda na tarde desta quarta-feira deverá partir da capital britânica mais um Concorde, alugado pelo primeiro-ministro Tony Blair, que vai se encontrar nos EUA com o presidente George W. Bush.

Empresas manifestam confiança — A retomada dos vôos do Concorde coincide com a mais grave crise da aviação depois da Segunda Guerra Mundial. Ainda assim, as duas companhias aéreas que operam o supersônico manifestaram otimismo, considerando o sucesso das vendas antecipadas. Segundo uma porta-voz da British Airways, que vai voar seis vezes por semana entre Londres e Nova York, a empresa já vendeu 7000 bilhetes. A Air France vai oferecer por enquanto cinco vôos semanais.

O Concorde tinha perdido a licença de vôo depois do acidente de 25 de julho de 2000, em que morreram 113 pessoas, entre os quais 97 alemães. A licença só voltou a ser concedida em setembro, depois que as 12 aeronaves do tipo foram submetidas a uma série de melhorias técnicas, em especial nos pneus, instalações elétricas e tanques de combustível.