Comunidade internacional se prepara para intervir na Líbia | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 18.03.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Comunidade internacional se prepara para intervir na Líbia

Poucas horas depois da votação do Conselho de Segurança da ONU sobre uma interferência militar: possível cessar-fogo por parte de Kadafi desencadeia cúpula de crise para este sábado em Paris.

default

Intervenção aérea pretende proteger população líbia

Reaktionen der Gaddafi-Gegner auf die Einrichtung der Flugverbotszone

Bengasi: oposicionistas celebram decisão do Conselho da ONU

Neste sábado (19/03), os altos representantes da União Europeia e Africana, das Nações Unidas e da Liga Árabe vão se reunir em Paris para discutir os próximos passos, depois que o Conselho de Segurança da ONU aprovou a resolução que autoriza o uso de força contra as tropas de Muamar Kadafi. O caminho para ataques aéreos sobre a Líbia está aberto, porém o líder líbio Muamar Kadafi ofereceu nesta sexta-feira um cessar-fogo.

Não convencidos

O anúncio de cessar-fogo feito pelo governo de Kadafi "não impressiona" os Estados Unidos. A secretária de Estado norte-americana, Hillary Clinton, disse que seu país exige "fatos concretos" por parte do governo líbio.

UN Libyen Diplomatie Flugverbotszone

Delegados do Reino Unido e dos EUA votam resolução

Assim como a Alemanha, o Brasil se absteve de votar a resolução, justificando: "Não estamos convencidos de que uma intervenção militar nos levará ao objetivo que é o término imediato da violência e a proteção da população civil", declarou, em comunicado, a representante do Brasil nas Nações Unidas, Maria Luisa Viotti.

A chanceler federal alemã, Angela Merkel, disse que a abstenção do seu país não significa que esteja indiferente ao conflito líbio, devendo-se "exclusivamente" à indisponibilidade da Alemanha para participar de operações militares.

Na ultima quinta-feira, o Conselho de Segurança aprovou uma zona de exclusão aérea para a Líbia. Sob direção dos Estados Unidos, da França e do Reino Unido, a coalizão militar quer colocar em prática, o mais rápido possível, a resolução aprovada.

A zona de exclusão aérea na prática

A única experiência da comunidade internacional com zonas de exclusão aérea foi sua aplicação sobre a Iugoslávia e o norte do Iraque, na década de 1990. O primeiro passo é alcançar o domínio do espaço aéreo da Líbia. E para que isso aconteça é necessário o encerramento das atividades das forças de defesa aérea de Kadafi.

Deutschland Libyen Angela Merkel in Berlin zu Flugverbotszone

'A Alemanha não está indiferente ao conflito líbio', enfatiza Merkel

A Líbia possui mísseis antiaéreos que alcançam 8 mil metros de altura e 300 quilômetros de distância – o que corresponde a cerca de três quartos da distância entre Trípoli e Malta. Ela possui, ainda, cerca de 300 aviões, mas segundo especialistas somente a metade está apta ao uso. Para uma intervenção militar, é necessário que se anulem essas capacidades líbias, do contrário, as aeronaves internacionais correriam perigo.

Depois de concluída a primeira parte da estratégia, a zona aérea poderia ser monitorada sem problemas com aviões de reconhecimento Awacs. A Líbia é um país grande, porém o foco seria definitivamente a região costeira, onde se localizam as principais áreas de conflito.

Apoio logístico

As tropas para enfrentar as forças de Kadafi poderão contar com o apoio logístico das bases dos principais países da Otan, localizadas no Mar Mediterrâneo.

Os Estados Unidos já estão a postos na costa líbia, com o porta-aviões USS Enterprise, o porta-helicópteros Kearsarge e um navio específico para pousos chamado Ponce. Há apenas alguns dias, estas embarcações norte-americanas aportaram na Ilha de Creta. Partindo daí, eles necessitam de nove horas para alcançar a costa da Líbia. Já os caças levam apenas 20 minutos.

Libyen Jubel über Flugverbotszone in Bengasi

Junto à bandeira francesa, líbios anti-Kadafi celebram intervenção militar no país

O premiê britânico, David Cameron, também confirmou a participação do Reino Unido no conflito líbio, fato que desencadeou manifestações nas ruas de Londres nesta sexta-feira, a favor e contra a intervenção internacional. O Reino Unido possui bases aéreas no Chipre e no Estreito de Gibraltar.

A França – que nos últimos dias apoiou fortemente o bloqueio aéreo – poderia enviar seus aviões de guerra estacionados em bases aéreas na Costa Azul, litoral do sul da França, no mar Mediterrâneo.

Além disso, a Itália confirmou colocar à disposição sua base naval Sigonella, na ilha de Sicília. A Polônia pretende enviar aviões de carga. Também o Canadá, a Noruega e o Qatar, bem como os Emirados Árabes, confirmaram sua participação.

Autor: Dominik Peters (br)
Revisão: Augusto Valente

Leia mais