1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Comunidade internacional retoma negociações sobre programa nuclear iraniano

Diálogo sobre pretensões atômicas de Teerã foi reiniciado em clima de otimismo cauteloso. Agora a questão é recuperar a confiança mútua. Grupo 5+1 marcou para maio nova conferência com negociadores iranianos.

O impasse nuclear entre o Irã e a comunidade internacional volta a movimentar-se, após 15 meses de guerra de nervos. A primeira rodada de conversas, neste sábado (14/04), na capital turca Istambul, foi avaliada como positiva, por ambas as partes. Uma nova reunião foi marcada para 23 de maio próximo, na capital iraquiana Bagdá. Esses encontros são considerados a última chance de evitar eventuais investidas militares de Israel contra instalações nucleares iranianas.

"As discussões sobre as questões nucleares ligadas ao Irã foram construtivas e úteis", disse a chefe da diplomacia da União Europeia, Catherine Ashton, demonstrando um otimismo cauteloso. "Esperamos que os encontros subsequentes levem a passos concretos no sentido de uma solução abrangente por negociação, restaurando a confiança internacional na natureza exclusivamente pacífica do programa nuclear iraniano".

Agora, a questão é recuperar a confiança mútua, até a conferência em Bagdá, mantendo a meta de desativar "passo a passo" o programa atômico do Irã, explicitou Ashton.

A base das negociações deverá ser o Tratado de Não Proliferação de Armas Nucleares, observou a diplomata. O Grupo 5+1, encarregado da questão iraniana, reconhece plenamente o direito do Irã ao emprego pacífico da energia atômica. O grupo é formado pelos cinco países com direito de veto no Conselho de Segurança da ONU – China, Estados Unidos, França, Reino Unido e Rússia – mais a Alemanha.

Türkei Istanbul UN Sicherheitsrat Beratungen Iran Atomgespräche April 2012

Chefe de negociações iraniano, Said Jalili (centro), e ministro turco do Exterior, Ahmet Davutoğlu (dir.)

"Mudança de tom" entre potências

O Irã também manifestou otimismo sobre o encontro em Istambul. "O importante é que a retórica das potências mundiais mudou. Num clima de respeito mútuo, é possível chegar a resultados", comentou o chefe da delegação de negociadores iranianos, Said Jalili. Nos últimos meses, o clima esteve extremamente carregado e marcado por ameaças militares.

Entretanto, o país asiático rejeitou a proposta dos Estados Unidos de um encontro bilateral paralelo. Washington e Teerã romperam laços diplomáticos após à Revolução Islâmica de 1979 no Irã, a qual derrubou o xá Mohammad Reza Pahlavi, apoiado pelos norte-americanos.

"Uma coisa é certa: há muito já se foi o tempo de jogos táticos, de qualquer natureza", observou o ministro alemão do Exterior, Guido Westerwelle, em Berlim. "O mais importante é que tenhamos marcado um encontro subsequente, e que haja a vontade de embarcar num processo substancial. Queremos uma solução política", declarou ao jornal Bild am Sonntag após o encontro.

Medo de bombas

Segundo a delegação iraniana, o país propôs que ele mesmo transforme em bastões combustíveis seu urânio com mais alto teor de enriquecimento, sob a supervisão da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA). Segundo informações próprias, Teerã possui atualmente quase 100 quilos da substância radioativa, enriquecida em 20%.

Enquanto o Ocidente teme que os iranianos acabem empregando a capacidade de enriquecer urânio na construção de bombas atômicas, o presidente iraniano, Mahmud Ahmadinejad, insiste no direito de usar a tecnologia atômica para a produção de energia e pesquisa médica.

O jornal alemão Süddeutsche Zeitung noticiou neste sábado que, no passado, um elemento para a ignição de ogivas nucleares foi testado na base militar de Parchin, ao sudeste de Teerã. A AIEA também vê o local com ceticismo e insiste na realização de inspeções.

AV/dpa/afp/ap/rtr
Revisão: Luisa Frey

Leia mais