1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Como fica a política de integração depois dos atentados

Que consequências a violência terrorista pode ter para a política de integração da Europa? Leia a avaliação do analista político da Deutsche Welle Peter Philipp.

default

Exercício da religião foi marginalizado por muito tempo

Muitos ingleses com certeza se sentiriam aliviados, se os responsáveis pelos atentados de Londres tivessem driblado o controle do aeroporto de Heathrow, vindos do exterior. Mas a verdade é outra. Os terroristas tinham nacionalidade britânica, faziam parte da minoria muçulmana do país. Uma questão central provoca especulações, suposições e suspeitas: será que os muçulmanos do próprio país são uma "quinta coluna" em potencial?

Minoria dentro da minoria

Esta preocupação e as fatais conclusões que se podem tirar daí provavelmente não vão se limitar ao Reino Unido. Na França vive uma grande comunidade de africanos; na Alemanha, de turcos; em países menores da Europa, a situação não é muito diferente. Na Holanda, por exemplo, um jovem de origem marroquina e cidadania holandesa está sendo julgado pelo assassinato do cineasta Theo van Gogh. E em Munique, um curdo está respondendo processo, sob acusação de ter recrutado voluntários para a associação terrorista islâmica Ansar al Islam.

Estes exemplos têm grande impacto, mas são atípicos e, portanto, insuficientes para determinar a imagem que se faz da minoria muçulmana na Europa. É bom lembrar de que os terroristas de Londres não pensaram nos muçulmanos que acabaram matando com suas bombas. Além disso, os fundamentalistas dispostos a fazer uso de violência representam uma reduzida minoria entre os muçulmanos. Eles pouco se importam com o fato de seus atos causarem uma suspeita generalizada.

Antagonismo ao "Ocidente cristão"

Talvez seja até de propósito. Afinal, no raciocício equivocado dos radicais islamistas, a única coisa que existe é "nós aqui" e "eles lá". Para eles, qualquer discriminação percebida no cotidiano tem um fundo ideológico ou religioso, sendo automaticamente interpretada como repressão por parte do "Ocidente cristão". Quando este sentimento é associado a crises e guerras internacionais – da Palestina ao Afeganistão, de Bagdá a Srebrenica –, a mistura é explosiva.

Neste sentido, cometeram-se muitos erros. O ineficaz controle da entrada de estrangeiros no continente não foi o único. A forma de tratar a minoria muçulmana, que cresce cada vez mais em nossos países, também é um fator importante. Nunca se pensou, por exemplo, no significado que a religião e a tradição religiosa têm para eles. O lema sempre foi "se eles quiserem viver aqui, têm que se integrar". O ensino e o exercício da religião foram postos para fora do circuito social, levando ao surgimento de obscuras escolas do Corão.

Segregação e doutrinação levam a terrorismo

O assassino do holandês Theo van Gogh é produto de uma dessas escolas que podem estar criando radicais semelhantes em toda a Europa. Associada a isolamento social e segregação, a doutrinação religiosa pode levar ao terrorismo. Isso não dá para ser inteiramente evitado, mas pode-se reduzir o risco. Para isso, é preciso dar a todas as minorias a sensação de que elas "fazem parte". Isso ajuda não só as minorias, mas também a coletividade.

Leia mais